30 de jan de 2012

Amizade Colorida, de Will Gluck

Uma comédia romântica é sempre uma história que segue um fio narrativo normalmente conhecido. Apesar das sutis diferenças, as tramas envolvem garoto(a) encontrando garota(o), se apaixonando, para algum imprevisto acontecer e, somente no fim eles ficarem juntos. São clichês clássicos que, se bem usados, vão continuar atraindo os espectadores aos cinemas para acompanhar aquelas histórias. Vez ou outra, algum filme do gênero se sobressai, criando tramas apaixonantes e que se tornam inesquecíveis, como o já clássico 500 Dias Com Ela. Outras vezes, a trama é tão idiota que nos esquecemos dela antes mesmo dos créditos finais. Amizade Colorida fica entre os dois, já que não se trata de um filme medíocre, mas está longe de ser um exemplar que mudará o gênero. O que acaba sendo ótimo, já que o filme alcança seu objetivo: divertir o espectador.
Partindo de um pressuposto já utilizado com sucesso em outros filmes, caso do excelente Amor & Outras Drogas, vemos aqui dois jovens que resolvem manter seu relacionamento baseado apenas no sexo. A ideia é excelente, afinal, o seu/sua melhor amigo(a) é, provavelmente, a pessoa com quem você mais tem intimidade no mundo. Assim, porque não juntar a amizade ao tesão e misturar tudo, sem o inconveniente das cobranças de uma relação? É essa a ideia brilhante que os jovens amigos Jamie (Mila Kunis) e Dylan (Justin Timberlake) tem quando o segundo, recém chegado à Nova York e acabando de sair de um relacionamento, propõe um acordo de amizade com benefícios para a primeira, que também acabou de levar um belo pé na bunda. E, como você bem deve desconfiar, os dois se apaixonam e o acordo vai pro espaço.
Contando com dois atores belos e com química que explode na tela, Amizade Colorida conquista de cara, com seu início divertido e as situações de sexo sem compromisso vividas pelos personagens. Acompanhar o envolvimento de Dylan e Jamie é fácil e o desempenho dos atores ajuda muito nisso.
A Jamie de Mila Kunis é extrovertida e agradável, alguém que facilmente poderia ser nossa amiga. Por isso, é muito legal ver que quando um interesse amoroso surge na vida da personagem, ela se desequilibra com mil cobranças e acaba estragando tudo. Quantas pessoas como Jamie você não conhece? Legal, divertida, mas que quando se interessa por alguém, vira uma louca obsessiva e maluca?
Enquanto isso, Justin Timberlake mostra que o cinema é realmente seu lugar. Depois do excelente trabalho em A Rede Social, Justin mostra sua versatilidade ao criar um Dylan fofo e conquistador, mas que tem também de lidar com seus problemas familiares e insegurança. E, ao se apaixonar sem poder pela melhor amiga, o ator acaba ganhando todos com sua interpretação.
Se o começo do filme empolga, quando temos os dois efetivamente apaixonados e sem querer admitir isso a si mesmos, a trama perde um pouco de graça. Afinal, todo mundo já sabia que aquilo ia acontecer. Quando acontece, é meio chato. Ainda bem que o roteiro e o trabalho do diretor Will Gluck não enrolam muito nesse drama e sabem dosar a diversão.
No geral, Amizade Colorida é uma diversão despretensiosa, daquelas que te arrancam um sorriso no rosto e te fazem suspirar no final. Como sexo, com ou sem compromisso!
-->

0 comentários:

Share