10 de mar de 2012

Anjos da Noite: O Despertar, de Måns Mårlind e Björn Stein


-->


Confesso que não esperava mais um filme da franquia Anjos da Noite. Achei que o segundo filme havia fechado de maneira interessante a saga (e não assisti ao terceiro filme, A Rebelião, porque para mim Anjos da Noite = Selene = Kate Beckinsale. Simples assim.), mas não me decepcionei com o terceiro filme da saga de Selene. Vi exatamente as qualidades que esperava e os defeitos dos primeiros filmes.


Anjos da Noite: O Despertar começa após o segundo filme, A Evolução, quando os humanos descobrem que vampiros e lobisomens (lycans) também habitam o planeta. Daí o que vemos é a velha máxima dos humanos caçando e matando os monstros diabólicos que ameaçam sua existência - uma clara alusão a alguns pontos de nossa história, onde os monstros eram menos monstros. É nesse contexto de caça às bruxas - ou melhor, caça a vampiros e lycans - que Selene e Michael (Scott Sppedman não aceitou retornar ao papel) tentam fugir. Mas, como nem tudo são flores, eles obviamente são pegos.

E aí começa a ação propriamente dita, quando Selene já é libertada de sua "prisão", após 12 anos, por alguém que ela acha ser Michael, mas, para sua surpresa - e nossa também - é, na verdade, sua filha Nissa, híbrida e a última descendente de Alexander Corvinus. Como todos querem capturar sua filha (incluam aí os lycans), que parece ser a chave de algum mistério, Selene tem que voltar à velha forma de caçadora para protegê-la.

Ação e violência não faltam ao filme, além de bons efeitos. A trilha sonora, com Linkin Park e Evanescence, por exemplo, dão ritmo às belas cenas em que Selene e sua filha cortam algumas cabeças, quebram alguns braços e outras coisas do gênero. Enfim, nesse aspecto, O Despertar é tão bom ou melhor do que os primeiros filmes da franquia.



Aliás, Kate Backinsale parece ter encarnado de vez a personagem, totalmente à vontade como Selene. O roteiro é fraco, mas atinge o objetivo. Os coadjuvantes poderiam ser melhor explorados. Mas e daí? Volto a dizer: para mim Anjos da Noite = Selene. E Selene é sinônimo de tiros, facadas e sangue (além da bela roupa de couro "embalada a vácuo").

Os fãs da franquia não vão se decepcionar. Àqueles que gostam de ação e querem se divertir um pouco, Anjos da Noite: O Despertar vale o ingresso e a continuação (?).

-->

0 comentários:

Share