27 de mar de 2012

Avenida Brasil: Primeiras Impressões

-->


Primeiro capítulo de novela é aquela coisa, né? Os personagens são apresentados rapidamente, a gente ainda não está familiarizado com a trama, com o que esperar dos próximos oito meses de história. Eu, quase sempre, nem me importo muito com aquilo, (quando assisto) o capítulo faço como na maioria das vezes que estou vendo televisão: aparelho ligado, mas disputando minha atenção com o computador, um livro e, muitas vezes, música. Entretanto, ao começar a assistir Avenida Brasil, a nova novela das 21h da Globo, eu fui fisgado de cara e é impossível não ter a sensação de que vem coisa boa pela frente.

Depois das cores berrantes e da da edição maluca de Fina Estampa (que eu não gostei, mas mantinha a televisão ligada na hora), Avenida Brasil apresentou um primeiro capítulo com qualidade de cinema. O que vimos na telinha foi de um cuidado gigantesco para nos apresentar o universo que nos acompanhará diariamente a partir de agora. Ambientada inicialmente em 1999, vimos em cena o retorno dos celulares tipo tijolão e um banho de interpretação de atores que, certamente, farão misérias em papéis que parecem escritos especialmente para eles.


Tendo como locação principal o fictício bairro de Divino, subúrbio do Rio de Janeiro, a novela começou explorando a ascensão do craque de futebol Tufão, nascido e criado no bairro, que chega ao topo da carreira como craque do Flamengo. Vivido por Murilo Benício, é impossível não comparar Tufão a um outro craque que retorna ao Flamengo da vida real e que, como o ator, apresenta um corpo um tanto quanto... rechonchudo para o um jogador de futebol. A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Em outro núcleo, Alexandre Borges dá vida a Cadinho, empresário que tem duas esposas que não desconfiam da existência uma da outra. Vividas por Débora Bloch e Camila Morgado, as esposas passam uma ingenuidade infantil ao não desconfiarem do marido, que usa a desculpa de passar a metade da semana em São Paulo para as duas e conseguir dar conta do recado em suas duas famílias. Pelo visto a história ainda há de se enrolar um pouco mais, já que Carolina Ferraz deve transformar esse triângulo em quadrado amoroso. A trama, que nas chamadas da novela era a que menos me agradava, pelo menos nesse início se mostrou inspirada e com potencial para prender a atenção.


Mas é impossível falar do início da novela sem encher de elogios a interpretação de Adriana Esteves. Depois de uma vilã caricata e exagerada como a Teresa Cristina vivida por Christiane Torloni em Fina Estampa, a Carminha interpretada por Adriana já se mostra como alguém que amaremos odiar e que rendeu, sem sombra de dúvidas, os melhores momentos da estreia de Avenida Brasil. A dobradinha da atriz com a jovem Mel Maia, que vive a jovem (um pouco insuportável, diga-se de passagem) Rita (que adulta será interpretada por Débora Falabella) e suas cenas ao lado de Tony Ramos, o Genésio, valeram mais que todas as cenas juntas de Fina Estampa. Espetáculo da melhor qualidade. Isso sem contar a promessa de muitas armações e tesão à flor da pela de Carminha ao lado de Max, numa inspirada interpretação de Marcelo Novaes. 


Com o atropelamento e morte de Genésio por Tufão, que entendeu tudo errado o que foi pedido pelo moribundo personagem de Tony Ramos, muitas possibilidades foram abertas para a história, que conquistou de cara o interesse dos telespectadores. Em sua segunda novela no horário das 21h, João Emanuel Carneiro se firma como um dos nomes entre os grandes autores do horário nobre. Depois do sucesso de A Favorita, Avenida Brasil promete muitas emoções, intrigas e, claro, conversas de bar sobre a novela que, certamente, vai congestionar com suas emoções.
Avenida Brasil, cena da abertura da novela.
E, de quebra, tivemos a divertida abertura, com o kuduro Vem Dançar Com Tudo, nas vozes de Robson Moura e Lino Krizz. Convenhamos, é impossível assistir à novela e não ficar cantarolando o "Oi, oi, oi... Oi, oi, oi, oi... Vem pra quebrar, vem dançar com tudo..."

E você, curtiu Avenida Brasil?


-->

2 comentários:

Anônimo disse...

Adorei a critica, foram colocados os pontos que realmente elevaram o primeiro capitulo e tenho certeza que a trama tem tudo pra dar certo. Só não me agradou a abertura da novela, "Kuduro?" Whathefuck!!!!
Impossivel assistir a novela e nao ficar cantarolado o "oi, oi, oi... (Só que não)

Móveis corporativos disse...

boa postagem

Share