5 de mar de 2012

Billi Pig, de José Eduardo Belmonte

-->


Um elenco impressionante (com nomes como Selton Mello, Milton Gonçalves, Grazi Massafera e Preta Gil, entre outros) e uma história que envolve um casal em "crise", um "padre" charlatão, um traficante abobalhado, um porco rosa de brinquedo falante e até mesmo assombrações. Acendeu uma luz vermelha piscante com a palavra BOMBA na sua mente? Pois deveria, já que Billi Pig é uma "comédia" sem graça e sem pé nem cabeça, que faz você se perguntar ao sair do cinema: por que diabos eu perdi meu tempo assistindo a essa merda?

A trama (se é que se pode chamar aquilo de trama) acompanha o casal Marinalva (Grazi, muito bem no papel, provavelmente a melhor coisa do filme) e Vanderlei (Selton, apagado e sem entender o que faz em cena), que vivem uma crise forçada, já que a moça sempre teve o sonho de ser uma grande atriz e, ao se casar com Vanderlei, passou a ter uma vida medíocre. Quando a filha do traficante Boca (Otávio Müller) é atingida por um tiro e fica entre a vida e a morte, o casal se junta ao falso padre Roberval (Milton Gonçalves) para realizar um milagre e tirar dinheiro do traficante. Deu pra entender? E eu nem falei nada sobre o porco rosa de brinquedo que faz de tudo para separar Marinalva de Vanderlei. Pois é, quer dizer...

O filme se vende como uma homenagem às antigas chanchadas, mas se sai muito mal nesse ponto, afinal, não consegue nos arrancar nem mesmo sorrisos amarelos. Mesclando todo tipo de "gênero", o diretor José Eduardo Belmonte parece não se decidir que caminho quer adotar para contar aquela "história". Assim, já é possível ficar preocupado logo na sequência inicial, quando a personagem Marinalva, num sonho (recurso bobo, que não funciona nem em séries de televisão) tenta salvar seu porco (o Billi Pig do título) de ser morto num sacrifício em prol de sua fama como atriz. No meio do longa, quando um número musical é inserido sem NENHUM contexto com a história então, putz, você já desistiu do filme tem tempo.


Nem mesmo as participações especiais são bem aproveitadas. Estou até agora tentando entender a função dos personagens de Preta Gil e de Milhem Cortaz nesse samba do porco doido. Isso sem contar o desperdício de ter Cássia Kiss numa ponta idiota e, como quase tudo no filme, sem sentido.

No geral, Billi Pig é um filme que tenta. Tenta ser engraçado e não consegue, tenta homenagear as chanchadas e falha miseravelmente, tenta se vender como cool e só consegue ser tremendamente boring.

Dessa forma, não se engane com os milhares de cartazes espalhados pelas cidades e por todas as propagandas sobre o filme na televisão. Faça algo melhor com o seu dinheiro e não seja como eu, que gastei quase duas horas da minha vida com um filme que fez com que me sentisse idiota por ter perdido tempo e dinheiro com ele. 

4 comentários:

Giselle disse...

Domingo eu assisti Drive com o Ryan Gosling e no cinema eu só me perguntava isso: por que diabos eu perdi meu tempo assistindo a essa merda?
E pior, eu estava esperando por esse filme desde o início de fevereiro. É triste quando isso acontece.

Leandro Faria disse...

Jura que Drive é ruim tb?
Todo mundo elogiando e eu tava quase propenso a assistir. Agora já não vou mais, rs..
Vou deixar pro Bruno ver e falar sobre, já que ele tá ansioso pelo filme, hehehe

Anônimo disse...

Cheguei até o blog via Agrega Pais e cara confesso que fiquei deprimido com os comentários justamente sobre os dois filmes que pretendia assistir no final de semana, tenho nem palavras eu sei que gosto é meio subjetivo, mas só por esse samba do crioulo doido relatado aí dá pra ver que se trata de um daqueles besteiróis sem pé nem cabeça. Enfim me economizaram uma grana e quem sabe pegue em vídeo um dia quando estiver bem baratinho.
Fábio Quintas.

Leandro Faria disse...

Fábio,
Que legal o feedback e saber que nossa opinião até influencia.
Grande abraço e volte sempre!!

Share