21 de ago de 2012

O Vingador do Futuro, de Len Wiseman


-->
O que é real? Essa é a pergunta que nos fazemos durante todo o filme O Vingador do Futuro, remake do filme homônimo de 1990 - estrelado pelo ator/ex-governador/ex-mister universo Arnold Schwarzenegger. O único problema é que a resposta da pergunta inicial fica meio óbvia durante todo o longa.

No filme, o protagonista é menos Exterminador e mais Novato. Sim, estamos falando de Collin Farrel, que é Douglas Quaid, um operário cansado de sua vida sem graça que decide utilizar o serviço da Rekall, companhia que pode transformar seus sonhos em memórias reais, para dar um novo sentido à sua existência. E é nesse ponto que a vida de Quaid muda completamente. Sua amada e linda esposa (Kate Backinsale) pode não ser quem ele acha e, além disso, ele se torna um homem caçado. Ele não queria uma nova vida? Perseguido pela polícia e pelo líder mundial Vilos Cohaagen (Bryan Cranston), Quaid alia-se à rebelde Melina (Jessica Biel) para encontrar o líder da resistência e derrotar Cohaagen. Para quem queria ter as memórias de um espião, seu passado é bem real. Ou não?


O filme é baseado no conto Podemos Recordar para Você, por um Preço Razoável, de Philip K. Dick. Mas sua ambientação é numa Terra pós-apocalíptica - devastada por um guerra nuclear no final deste século - dividida entre a Federação Unida da Bretanha (Europa) e a Colônia (Oceania). E, no caso, o nome Colônia não é um mero acaso... Dois mundos diferentes, conectados apenas por um gigantesco elevador que atravessa - literalmente - o planeta chamado The Fall, o símbolo máximo de opressão do regime adotado por Cohaagen.

Visualmente, o filme é perfeito. É possível ver o The Fall (ou A Queda) como um brinquedo de parque de diversões. Ou um elevador de verdade. Os robôs (synthetics), os automóveis, as cidades. Tudo é um espetáculo. E o melhor, crível - se você pensar que isso acontece no início do próximo século.


O roteiro é simples e eficiente. Não é uma maravilha, mas cumpre o prometido. E ação não vai faltar!

Não considero Colin Farrel um grande ator, mas sua atuação é segura - podem falar o quiserem, mas às vezes senti falta do Schwarzenegger na tela. Já Kate Backinsale continua linda e... à vontade como Selena (Anjos da Noite) - ou sua irmã gêmea do futuro. Para uma vampira, o que são 100 anos?? E Jessica Biel é a mesma Jessica Biel de sempre. Ou seja, também linda...

Enfim, O Vingador do Futuro não irá mudar sua vida, não será marcado como um dos melhores filmes de todos os tempos - nem deste ano -, mas defitivamente, é uma ótima opção de diversão. Vale à pena  pagar o ingresso, comprar a pipoca e o refrigerante e passar duas horas questionando um pouco o que é real. E desejando, em alguns momentos, ser verdadeira a possibilidade de criar/implantar memórias...

Para ficar atualizado com todas as novidades do Pop de Botequim, curta nossa página no Facebook (clicando aqui) e nos siga no Twitter (clicando aqui)! É fácil, rápido e super prático!

Sigam-nos os bons!

-->

1 comentários:

ricardo disse...

Já reparei, que todo mundo que gostou deste remake, não assistiu o antigo primeiro.... Pra mim, o problema do filme se baseia em um só nome: Collin Farrel, será que esse cara nunca vai aprender a atuar.
Já estou vendo o próximo filme que vão destruir, "Blade Runner".

Share