30 de set de 2013

Grey's Anatomy - 10x01 - Seal Our Fate / 10x02 - I Want You With Me (Season Premiere)




Décima temporada. Oito anos de tragédias. Depois de bombas, afogamentos, atropelamentos e, até queda de avião, eis que chega a tempestade. Dizem que após a tempestade sempre chega a bonança, mas... com Shonda Rimes não foi bem assim.

Ao final da nona temporada, acompanhamos a chegada da tempestade e, como sofremos com a imagem do corpo do Richard no chão, a expectativa para que o primeiro episódio chegasse para sabermos, enfim, o que aconteceria. A morte não poderia ser descartada, afinal, nada pode ser descartado em Grey’s Anatomy. Assim, no lugar da bonança o que tivemos foi drama, drama e... adivinhem? Pois é, mais drama.


Eu estava aqui pensando em falar sobre esses internos novos, mas eles são tão relevantes que eu mal lembro o nome deles. Nossa, como eu os odeio. Nesse núcleo temos o New George versão negra, a Menina de Rua que pega o Karev, a Líder de Torcida que pega o Avery e, por fim a Interna Bitch que tinha uma mãe mais bitch ainda que dava pro Sloan (sorte dela, btw). E tínhamos a Mac.

Tempestade destruindo tudo, pronto socorro do Grey Sloan Memorial Hospital bombando, as pessoas sem material, sem pessoal e... Onde está o Richard? E eu aqui no "por favor achem o Richard". O New George resolve roubar uma cirurgia da coleguinha e a coleguinha acaba sendo eletrocutada. Pois é.

Mac é achada, Richard é achado, vamos todos pra cirurgia. O que é o New George a cirurgia com aquela cara de pamonha mal assada? Não dá, eu não engulo, é demais pra minha cabeça. A frase que melhor resumiu a situação pra mim foi a Interna Bitch dizendo que ele não teria mais que se preocupar em dividir cirurgias com ela. Bem isso, né? Enquanto isso, Richard está com problema no coração, precisa colocar uma bomba e lá vai Yang ser diva para salvá-lo.



Gostei da tensão entre a Bailey e a Yang, nesse opera x não opera. Tudo bem que a parte em que a Yang alega que era dona do hospital foi meio Oi???, mas tá. Descobrimos que Meredith tem o poder de decisão sobre os procedimentos médicos do Richard. E entendo a confusão dela. Entendo também a decisão do Richard. Ele sabia que a Meredith seria a pessoa mais adequada para tomar decisões desse tipo. E acabou sendo. Manteve a calma, analisou resultados e, principalmente, acreditou na Bailey quando até ela duvidou.
"When you know, you know."
Gente, o que é a mãe do Avery? Além do personagem ser péssimo (quela frase do ‘mamãe comprou um hospital pra você’ não me desce até hoje, mas...), o que foi aquilo dela invadir o centro cirúrgico pra gritar com dois médicos que estão fazendo uma cirurgia, um deles, diretor do hospital. Ah, para, né? Vai ser histérica lá longe.

Achei que a Bailey mereceu aquele discurso, foi super injusto o que ela fez com o Richard na temporada passada chamando-o de bêbado; eu amo a Bailey, mas ela merecia esse tapa. Gostei também do chega pra lá que a namorada insuportável levou do filho, aliás o Avery estava com a corda toda nesse início de temporada. O fora que ele deu na Kepner quase deu dó – quase. Ela lá toda comovida com o casamento que ele mesmo realizou entre a bombeira que estava com uma bactéria que se alimentava da carne humana – que triste aquilo, né, gente? Mas, voltando, eu não tiro a razão do Avery, quando ele quis, ela esnobou e agora ela decidiu que quer? Mas a Kepner sempre foi complicada assim. Então vai lá casar com seu paramédico virgem (que aliás é tu-do, fala sério). Aquela cena dela pedindo-o em casamento foi um momento meio vergonha alheia, passa logo, sabe? Mas, que sejam felizes pra sempre (ou ao menos até o próximo episódio) porque até os chatos tem direito a um pouquinho de felicidade.

Mas, como eu dizia, pronto socorro do Grey Sloan Memorial Hospital bombando, Mac morrendo, Richard morrendo, todos morrendo... Menos o Karev e a Menina de Rua que estão no melhor estilo Patrícia e Michel (ah não, pera), querendo trepar desesperadamente dentro de armários ou em qualquer lugar. O problema nem foi esse, o problema foi a Menina de Rua perguntando pro boy magia se ele já tinha pegado alguma amiga dela ali. Sério que essa menina acha que vai encontrar algum lugar no hospital – ou em Seattle – que não tenha servido como ninho de amor [?] do Karev?

O que foi aquilo de nenhum interno se lembrar de uma história boa pra contar sobre a Mac? Aliás, o Karev dizendo pra Menina de Rua que no final ele sempre terá a Meredith e a Cristina pra chorar foi tão... perfeito. Acompanhar o desenvolvimento do Karev, a dificuldade que ele teve de se encontrar e, finalmente, vê-lo sentindo-se parte de um grupo foi gratificante. Mostrar pra Menina de Rua o quão a amizade era importante, foi bonito. As cenas que seguiram deles trocando ‘confidências’ no vestiário e depois saindo correndo atrás de uma ambulância dos bombeiros foi meio – hahaha, mas a parte do Karev foi bonita.



Mandando ver estavam também Owen e Cristina. Aliás, quando eles começaram com isso de sexo de despedida, eu super achei que aquele término não era um término coisa nenhuma e que eles voltariam, mas quando eu vi a Cristina chorando nos braços do Owen, eu chorei com ela. Muito me dói ver esse casal se despedindo e o pior é que nem é por falta de amor, mas por falta de compatibilidade dos planos para o futuro. Deve ser péssimo amar uma pessoa, trabalhar com ela, mas saber que são incompatíveis.

Acabou? Ah, não, espera, falta falar da Arizona e da Callie. Depois da Arizona trair a Callie com a Peyton, eu queria muito que ela tivesse sido arrastada por um tufão de volta pra África. Tudo que a Callie aguentou depois que a Arizona perdeu a perna, todo aquele drama. A Callie sempre foi tão feliz e, além de ter de lidar com a morte do Sloan, teve de aturar meses e meses da TPM eterna da Arizona que não queria mais ir pra cama com ela porque não tinha a perna, daí chega uma médica nova no hospital e ela vai logo dando, beleza. A Callie falar na reunião, pra todo mundo que a mulher dela deu pra outra foi... tenso. Mas mais tenso ainda foi a atitude da Arizona de achar que: "Ah, eu dei, mas tudo bem, a gente resolve". A Callie finalmente percebeu o que já era notado há muito tempo: Ela não dança mais de calcinha. A frase dela me fez ter esperança de que a velha Callie voltará. Sim, ela passará por muitos dramas ainda, mas eu acredito que ela conseguirá resgatar aquela alegria. Torço por isso.

Outras coisas interessantes:
  • Como foi bonito o discurso do Richard sobre tomar decisões na vida e que norteou os dois episódios. E como foi lindo vê-lo abrir os olhos no último momento de I Want You With Me.
  • Izzie e George sendo lembrados (RIP, btw).
E você, curtiu o Pop de Botequim e quer colaborar com o blog? Se gosta de cultura pop, aprecia escrever e quer ser lido, não perca tempo e mande já um email pra gente! Vai ser um prazer ter você em nosso botequim! Entre em contato já e saiba como participar! Aguardamos seu contato através do nosso email: popdebotequim@gmail.com
Leandro Faria  
Você curte cultura pop e também quer dividir suas impressões com o resto do mundo? Se gosta de escrever e está preparado para ser lido, entre em contado conosco através do email popdebotequim@gmail.com e teremos o maior prazer em publicar suas críticas e textos sobre o mundo pop. Não perca tempo e venha já fazer parte da nossa equipe!
FacebookTwitter


0 comentários:

Share