23 de set de 2013

Manuscritos do Mar Morto, de Adam Blake




Com o sucesso de Dan Brown e seu O Código Da Vinci, vários autores surfaram na onda dos thrillers literários com temática religiosa. Usando a religião (ou polêmicas derivadas dela) como pano de fundo, essas tramas conquistaram um grande público interessado em se entreter ao mesmo tempo em que embarcam ou não em teorias diversas. Adam Blake e seu Manuscritos do Mar Morto (Dead Sea Deception, no original) são um exemplo mais recente de que o "gênero" ainda pode empolgar e apresentar histórias interessantes e bem escritas.

Lançado no Brasil pela Editora Novo Conceito, Manuscritos do Mar Morto apresenta aos leitores brasileiros uma intrincada história, que fará com que devoremos suas páginas ansiosos pelo desenrolar de cada capítulo.

No livro, a policial Heather Kennedy, que depois de um incidente na polícia londrina passou a ser mal vista por seus colegas, se vê no meio da investigação ao lado do policial novato Harper, do possível assassinato de um professor universitário, que acaba desenrolando uma série de mistérios que ainda não haviam sido investigados. Paralelamente a isso, o ex-mercenário Leo Tillman vive uma busca implacável pelo homem que julga ser o responsável pelo desaparecimento de sua esposa e três filhos. Em determinado momento da história, Kennedy e Tillman juntarão forças para desvendar um mistério milenar que envolve a morte de Jesus Cristo e o lendário Judas Iscariotes. 

Contando com capítulos curtos e envolventes, o estilo narrativo de Adam Blake é daqueles que prendem o leitor, sem criar "barrigas" na história, que caminha para um ápice a cada página virada. Usando e abusando de cliffhangers interessantes e clímax que nos conduzem pouco a pouco para onde o autor quer nos levar, Manuscritos do Mar Morto tem o dom de, apesar de ser uma ficção, nos fazer pensar: será possível? Essa que é, aliás, uma das chamadas da capa da história.

Interessado que fiquei na trama e em seu autor, qual não foi minha surpresa ao descobrir que Adam Blake, na realidade, não existe. Como tem se tornado comum, Adam Blake nada mais é que um pseudônimo do autor britânico Mike Carey, conhecido por seus best sellers, quase todos, curiosamente, não lançados no Brasil. 

Para os fãs dessa nova história é bom adiantar que ela já tem uma continuação. Intitulada The Demon Code, o livro com uma nova aventura de Heather Kennedy e Leo Tillman ainda não tem previsão de lançamento no Brasil. 

Tomara, entretanto, que a Editora Novo Conceito marque mais um golaço e traga logo esse livro para os seus leitores. Eu, pelo menos, já estou esperando. 

Autor: Adam Blake
Páginas: 480

E você, curtiu o Pop de Botequim e quer colaborar com a gente? Se gosta de cultura pop, aprecia escrever e quer ser lido, não perca tempo e mande já um email pra gente! Vai ser um prazer ter você em nosso botequim! Entre em contato já e saiba como participar! Aguardamos seu contato através do nosso email: popdebotequim@gmail.com

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

0 comentários:

Share