12 de set de 2013

Os Instrumentos Mortais - Cidade dos Ossos, de Cassandra Clare



Depois de muito tempo sem dar as caras para falar sobre as novidades do mundo pop, estou de volta, e com tudo, para registrar a resenha do livro Cidade dos Ossos, primeiro volume da saga Os Instrumentos Mortais, que se tornou a nova aposta para conquistar os corações dos jovens ao redor do mundo. Apesar de estar meio atrasada, afinal, a adaptação do best-seller já chegou com tudo nas telonas dos cinemas, mantenho minha fidelidade aos livros antes de sequer assistir o trailer do filme.

Pois bem, mesmo tentando fugir dos clichês do mundo da literatura, mais uma vez fui pega pelas sagas e o sucesso que conspira nas histórias sobre universos e seres fantásticos. É, se vocês esperavam um enredo totalmente diferente, se enganaram, porque Cidade dos Ossos é uma mistura de tudo que já conhecemos sobre triângulos amorosos, vampiros, lobisomens, mundos paralelos mas com muito mais sangue que o habitual.

Cassandra Clare, autora da ficção, narra de forma encantadora e inteligente a história da adolescente comum Clarissa Fray que, após assistir a morte de um garoto em uma noitada, tem sua vida completamente revirada ao descobrir que tudo que acreditou durante seus 16 anos foi uma mentira. Com a mãe desaparecida e contando apenas com a ajuda do amigo de infância Simon, Clary, como é mencionada durante a narrativa, embarca em mundo totalmente diferente do que estava acostumada e descobre que todas as lendas que cresceu ouvindo sobre anjos, demônios, vampiros e lobisomens não passam de pura realidade e que ela própria carrega em seu sangue DNA de uma outra espécie de seres humanos. E, como se não bastasse o drama, Clary se apaixona pelo orfão Jace, um caçador de sombras durão que carrega muitos traumas do passado e que tem como único objetivo de vida: matar demônios.

Mesmo sem originalidade, o livro se destaca entre os outros a começar pela escrita que, apesar de abordar um tema infanto juvenil, tem maturidade e a capacidade de apaixonar qualquer tipo de público. Além disso, a leitura é gostosa e não foca somente na história da protagonista, nos levando também ao drama dos demais personagens que são tão importantes quanto a relação entre Clary e Jace.

Outro ponto positivo da saga é o personagem Valentim, que tem muitas semelhanças como o também vilão Joe Carrol, do seriado The Following. O cara tem sede de sangue e não mede esforços para conseguir o que quer, além de possuir uma história incrível que só vai melhorando com o decorrer da narrativa.

Bem, eu já estou no final de Cidade das Cinzas, segundo volume dos cinco já lançados, e, devo adiantar, se o livro manter esse ritmo tem tudo para superar minhas expectativas.


Ariadny Theodoro  
Ariadny Theodoro,incansavelmente bipolar e a primeira mulher da trupe do PdB. Apaixonada por literatura, séries de televisão, teatro e fotografia digital, escreve por necessidade de manifestar suas diversas paixões, nem sempre compreendidas pelos demais. Escreve sobre tudo - o bom e o ruim! Afinal, alguém tem de ter a difícil tarefa de alertar ao mundo que nem tudo é sempre bom!
FacebookTwitter

0 comentários:

Share