8 de abr de 2014

Primeiras Impressões: Meu Pedacinho de Chão




A nova novela das seis da Globo, Meu Pedacinho de Chão, está envolta em falatório desde o começo de sua pré-produção; e não é para menos. Ela marca o retorno de Benedito Ruy Barbosa e Luiz Fernando Carvalho ao mundo das novelas, depois de todo o fracasso e confusão de Esperança, último trabalho da dupla em 2002. 

Adaptada de uma outra novela, escrita pelo próprio Benedito Ruy Barbosa em 1971, Meu Pedacinho de Chão é narrada pelas crianças Pituca e Serelepe, que contam a história da professora Juliana. Ela chega a Vila Santa Fé para lecionar na primeira escola do lugar, a contragosto do Coronel Epaminondas, que quer manter o povoado sob seu controle, limitando a educação e conhecimento da população. 

O principal diferencial da novela é justamente a visão infantil que ela apresenta. O diretor disse que, mesmo não sendo descrito no texto, ele quis a visão nostálgica da infância dessas crianças guiando a visão do público e, para mim, esse é o primeiro grande problema da novela. Eu adoro o que Luiz Fernando Carvalho fez em Hoje é Dia de Maria e Capitu, misturando a teatralidade da encenação com o naturalismo da história. Mas, para isso funcionar dessa vez, precisávamos de algo que nos indicasse o que ele estava fazendo. A novela começa de cara com um galo fantoche cantando ao raiar do dia e somos obrigados a aceitar essa realidade. Acredito que se ele começasse indicando que veremos o mundo através dos olhos daquelas crianças, esse cenário fantasioso seria melhor aceito.


A Direção de Arte está impecável. Cada fantoche, cada edificação, cada figurino, cada cantinho da Vila Santa Fé enche os olhos. Gostaria de visitar essa cidade com suas casas de Lego e árvores de crochê. Palmas para a equipe responsável. O mesmo não posso dizer da edição, que está muito vertiginosa. Alguém me explica para que tanto corte? Liga a câmera, monta um plano bacana, deixa a cena rolar. Não precisa de trezentos cortes em um único diálogo. Os atores são bons, eles seguram isso. 

Por falar em atores, a escalação é excelente. Os destaques do primeiro capítulo foram Bruna Linzmayer, como a Professora Juliana (ela parece um algodão doce gigante!); Osmar Prado, como Coronel Epaminondas (muito bem em cena com um personagem muito similar ao que fez em Amores Roubados); Juliana Paes, como Madame Maria Catarina Napoleão (é a personagem mais complexa até agora e a atriz soube revelar muito em poucas cenas); e Johnny Massaro, como Ferdinando Napoleão (filho rebelde do Coronel que decide virar Engenheiro Agrônomo ao invés de Advogado como o pai queria).


O restante do elenco poderia estar melhor, não fosse pelo uso da prosódia, que aqui é usado como uma caricatura de um caipirês de lugar nenhum. Parece forçado quase sempre, é complicado de entender e desnecessário. É over.

Para finalizar, preciso elogiar o texto de Benedito Ruy Barbosa, que conseguiu construir personagens e situações muito interessantes. Começando pelo próprio plot central do Coronel que quer cercear a educação dos moradores da Vila para controlá-los mais facilmente, passando pelo alcoolismo da mulher do Coronel e de sua possível relação com o enteado, temos também a personagem Gina que é a mulher-homen da Vila (muito mais homem do que mulher, segundo a mesma) e que parece ter um certo interesse na Professora Juliana. Digamos que, para uma fábula infantil o texto de Benedito é cheio de subtexto.

Espero que a direção apare as arestas para os próximos capítulos, porque senão essa novela pode acabar sendo o novo fracasso da dupla.

Leia Também:
E você, curtiu o Pop de Botequim e quer colaborar com o blog? Se gosta de cultura pop, aprecia escrever e quer ser lido, não perca tempo e mande já um email pra gente! Vai ser um prazer ter você em nosso botequim! Entre em contato já e saiba como participar! Aguardamos seu contato através do nosso email: popdebotequim@gmail.com

Leandro Faria  
Michael Oliveira, santista caiçara que abandonou a praia para tentar a sorte na cidade grande. Em São Paulo descobriu que Steven Spielberg não é Deus e que a Cultura Pop vai muito além das terras do Tio Sam. Atualmente consome tudo o que pode e tal qual Galactus está sempre em busca de novos universos que possam saciar essa fome eterna.
FacebookTwitter

1 comentários:

crizeida mattos disse...

ADOROREIIIIII, QUEM ESTA ROUBANDO A CENA E O ZELAO E O LEPE. EXCELENTES ARTISTAS.
MAS HOJE (21/05)ME PREOCUPOU O OSMAR PRADO. ELE ESTA COM ALGUM PROBLEMA DE SAUDE OU A MAQUIAGEM DEIXOU A DESEJAR.

Share