26 de set de 2014

Primeiras Impressões: Gotham




Talvez a série mais aguardada para essa Fall Season seja Gotham. O seriado vai explorar o universo do famoso Homem Morcego, entretanto, não veremos o herói mítico em ação. Ou seja, é uma série no universo de Batman, sem o Batman. Gotham contará o início da carreira de James Gordon que, todos sabemos, se tornará comissário e será muito importante no futuro da história de Batman.

Por se focar em uma história famosa, conhecida e com uma legião de fãs, grande era a expectativa do grande público para a tão aguardada estreia de Gotham . Depois de muitos teasers e promos, a série estreou no ultimo dia 22, nos EUA, e conseguiu atrair uma audiência impressionante de 8 milhões de telespectadores. Um número e tanto para os atuais padrões de audiência.

O piloto mostra de forma consistente o que já sabemos sobre a história de Gotham City. Toda sua corrupção, comandada pela máfia local; manchada pela insegurança, causada por bandidos e assassinos que atormentam as ruas e vielas da sinistra cidade; policiais corruptos e o nascimento dos tão queridos vilões. 


O piloto da série foi extremamente interessante, entretanto, alguns pontos devem ser ressaltados, tais como a inserção de vários vilões logo no primeiro episódio. O roteiro poderia trabalhar melhor a aparição dos mesmos, de forma menos explicita, por exemplo. Acredito que tentaram insinuar que a série é sobre o Batman, porém, torna-se incoerente termos uma Selina Kyle adulta enquanto vemos um garoto Bruce Wayne. 

Mas, quando Gotham parou de tentar introduzir vários elementos da história original, pudemos ver um roteiro que agrada e convence, afinal, esta é a história da cidade antes do nascimento do homem morcego como já o conhecemos. 

Claro que foi apenas um começo e que ainda há a necessidade de mais episódios para situar um universo com tantos personagens. Porém, o piloto não deixou de ter seus altos e baixos. Ao longo do episódio, fica um sentimento misto de pontos positivos e negativos e ficamos com a impressão de que os criadores deram atenção a certos pontos e outros deixaram de lado. 

As atuações, no geral, foram satisfatórias. Ben McKenzie, na pele de Jim Gordon, convence e se mostra seguro na condução do personagem principal. Outro aspecto positivo foi a composição da cidade. Seguindo um pouco do ponto de vista dos filmes de Nolan, Gotham consegue absorver essa característica sombria e violenta, sem precisar exagerar nas paletas de cores mais escuras encontradas no filme. Toda a ambientação e a forma como foi mostrada já bastam para uma série que, sem dúvida, irá permanecer conosco por algum tempo. 

Gotham apresentou um piloto que faz tudo que se predispôs a fazer. Apresenta uma nova leitura de um universo que teoricamente já conhecemos, se mostrando fiel ao que já foi produzido antes e, ainda assim, mantendo o ar de novidade. Uma série que vale a pena, não apenas para os fãs dos quadrinhos, mas também para quem gosta de uma boa história.

Por isso, se ainda não conferiu, programe-se: Gotham  estreia no Brasil no dia 29 de Setembro, no Warner Channel.

Leia Também:

Leandro Faria  
Artur Lima: aficionado por cinema, música, seriados e livros, não nesta ordem, apaixonado por dias frios e chá. Estudante de Comunicação Social, acha que sabe de tudo e sonha em trabalhar com cinema.
FacebookTwitter

1 comentários:

Unknown disse...

A Selina Kyle que apareceu não me pareceu adulta, era uma garota mais ou menos da idade do Bruce Wayne.
Sobre o piloto, achei mais ou menos, foi muito acelerado, muitas cenas que mal duravam 2 minutos, muitos cortes abruptos, e em todo corte imagens aéreas de Gotham. Sério, no mínimo foram 20 cenas de transição com essas tomadas aéreas de Gotham. De bom, eu gostei do futuro Pinguim, o Gordon não comprometeu e pode melhorar, e a idéia de apresentar não um futuro Coringa, mas de prováveis Coringa, foi a que mais gostei.

Share