27 de set de 2014

Primeiras Impressões: How To Get Away With Murder





Shonda Rhimes é uma espécie moderna de Midas da televisão americana. Suas séries são normalmente longevas, sucesso de audiência e garantia de retorno publicitário. Fato incontestável, que fica ainda mais evidente ao observarmos que Shonda é a única produtora da televisão americana a possuir uma faixa de produções suas ocupando o horário nobre de uma emissora de TV: as noites de quinta-feira na ABC são todinhas de Shonda, com a exibição, na sequência, de Grey's Anatomy, Scandal e da novata How To Get Away With Murder.

E se How To Get Away With Murder era esperada com ansiedade pelos fãs, a estreia da série só comprovou o feeling da produtora: a série é deliciosa, e seu piloto, exibido no último dia 25 nos EUA, nos deixa grudados na tela da televisão do início ao fim, com mil perguntas na mente depois que o cliffhanger final é apresentado. Na verdade, você só pensa: putz, sério que tenho que esperar até semana que vem?

A mão de Shonda é  vísivel na série desde seus minutos iniciais: estão lá a protagonista forte, o elenco com uma boa dose de bons personagens defendidos por atores negros (como ela própria, aliás, que preza pela representatividade negra na TV), o homossexual que deve roubar a cena e, é claro, o excelente roteiro, que nos prende irremediavelmente. Não tem jeito: é um programaço!


Estrelada pela Oscarizada Viola Davis, a série é centrada em Annalise Keating, uma conceituada professora de Direito, que usa métodos pouco ortodoxos para ministrar seu curso apelidado por ela com o título da série que, numa tradução livre, seria algo parecido com como cometer um assassinato e se safar. Maneiro, né?

E a série já começa mostrando ao que veio, ao apresentar um grupo de jovens tendo que se livrar de um corpo. Numa boa sacada de idas e vindas no tempo, apresentada no "presente" e no "passado", descobrimos que os jovens são quatro alunos do curso de Annalise que, por algum motivo, se vêem envolvidos em um problema que envolve um morto que só é identificado nos momentos finais do episódio e que nos deixa de boca aberta e pensando: What the fuck????

Contando com um elenco jovem mesclado a atores mais tarimbados (além de Viola Davis, o público deverá reconhecer Liza Weil - de Gilmore Gils - e Katie Findlay - de The Killing e Carrie Diaries), a produção é envolvente, graças ao charme das idas e vindas temporais e do suspense bem amarrado que, certamente, levará o público a voltar semanalmente para acompanhar a trama.



E se pareceu que a série explorará um grande arco durante a temporada (os motivos que levaram o grupo de alunos de Annelise a se verem envolvidos com um corpo), os casos semanais devem dar a tônica da série, nos fazendo conhecer um pouco mais de seus personagens e suas relações. Foi exatamente isso que vimos logo na estreia, com a equipe sendo formada e os alunos sendo escolhidos por Annelise ao ter de lidar com o caso de um quase assassinato que teve algumas boas reviravoltas.

Fato que um episódio é muito pouco para avaliar uma série. Mas, conhecendo Shonda Rhimes e seu potencial para trabalhar bem com Peter Nowalk (o criador da série), podemos esperar um bom entretenimento que, prometeu muito em sua divulgação, mas que já chegou cumprindo tudo isso em seu primeiro e excelente episódio.

A única notícia ruim: para aqueles que preferem assistir as séries na televisão brasileira, How To Get Away With Murder só chega ao Brasil em 2015, pelo canal Sony. Sério que alguém consegue esperar?

Leia Também:

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

1 comentários:

Esdras disse...

Amo Viola!!!

Share