22 de out de 2014

A Namorada do Meu Amigo, de Graciela Mayrink




Eu já li diversos (e são muitos, realmente) livros juvenis na minha vida. Como leio desde muito cedo, foi natural me encantar por histórias bobinhas envolvendo romances (aparentemente) impossíveis e mil rolos até um final feliz. Por isso, acho até legal que a quantidade de autores nacionais investindo nesse filão, principalmente pela editora Novas Páginas, braço da Novo Conceito voltada para jovens autores. A Namorada do Meu Amigo, de Graciela Mayrink, livro que li recentemente, é um desses casos.

A história se passa em uma pequena cidade universitária de Minas Gerais, a fictícia Rio das Pitangas, e tem como protagonista Cadu, um jovem de 20 anos, que tem dois melhores amigos e vive uma vida típida da idade, preocupado apenas com a faculdade e com suas aventuras amorosas. Depois de passar as férias na casa da mãe, em Porto Alegre, ele retorna para a cidade natal e é surpreendido com uma notícia: Juliana, uma ex-vizinha insuportável, retornou à cidade, está linda e namorando um de seus melhores amigos, Beto. 
Se quando eram crianças, Juliana era odiada pelo trio Cadu, Beto e Caveira, quando retorna crescida (com 16 anos, o que para mim é difícil de engolir, já que acho que 16 anos é uma idade tão... idiota) e deslumbrante (com 16 anos!!!), é claro que o relacionamento mudou. E Cadu, o mais implicante com a menina, se vê apaixonado por aquela que agora é a namorada do seu melhor amigo.

A prosa de Graciela Mayrink é até que gostosinha de ler, mas eu tive sérios problemas com o livro. Durante a leitura, eu não sabia porque a leitura não me empolgava e eu não conseguia embarcar na trama. E acabei me dando conta do motivo exatamente quando já estava perto do final do livro: eu não tenho mais a idade para qual a história foi produzida. Com mais de 30, ler um livro sobre adolescentes idiotas, com seus problemas pueris e bestas, não é para mim. Ainda mais quando o drama da história é mais raso que um pires.

Claro que, mesmo me dando conta do óbvio, eu terminei o livro e, confesso, fiquei ainda mais incomodado. Afinal, a trama toda se resume ao amor de um cara pela namorada do melhor amigo. E o final é tão anti-climax, que eu só pensei: putz, era melhor se um terremoto tivesse destruído Rio das Pitangas e toda essa gente chata.

Se o livro é ruim? Não, não é. Eu que sou chato. Se você tiver 16 anos, pode ser que realmente goste dele.

A Namorada do Meu Amigo
Autora: Graciela Mayrink
Páginas: 334
Editora: Novas Páginas

Leia Também:

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

1 comentários:

Alexandre Melo disse...

Olha, eu tive o mesmo problema com 'A Culpa é das Estrelas'. Todo mundo se derramando aos cântaros pelo livro e eu não passei da página vinte e cinco.

Não rolou para mim, ache chato demais. Talvez por ser muito adolescente, não sei, nem me dei ao trabalho de ir assistir ao filme.

Assim como não me darei ao trabalho de ler este aqui...

Share