7 de out de 2014

Mesmo Se Nada Der Certo, de John Carney




Algumas fórmulas dão certo. E, quando isso acontece, por que abrir mão delas, não é mesmo? E, quando a fórmula é boa, acredito que essa decisão seja a mais acertada. Pelo visto, John Carney concorda comigo. O diretor, do cult e aclamado Apenas Uma Vez (Once, de 2006), volta aos cinemas com Mesmo Se Nada Der Certo (Begin Again, no original), que traz muitas e deliciosas semelhanças com o trabalho mais famoso de seu diretor.

Estrelado por Mark Ruffalo e Keira Knightley, o filme é centrado em Dan, um produtor musical, sócio de uma gravadora, que se perdeu no meio do caminho. Largado pela mulher, com uma boa queda pela bebida, Dan deixou de se dedicar ao que amava, a música, para se afundar nos próprios problemas. Até que um dia, no fundo do poço, após ser convidado a se retirar da sociedade na gravadora e de um desastroso encontro com a filha adolescente, entra em um bar aleatório e conhece Gretta, uma jovem cantora e compositora, que acaba de ser trocada pelo namorado e, em uma Nova York que não é sua cidade natal, encontra-se perdida na vida. Com o encontro entre os dois, uma improvável parceria surge e, a partir daí, tudo pode mudar para ambos.


Com a direção segura de John Carney e entremeado por excelentes canções e momentos musicais, Mesmo Se Nada Der Certo surpreende ao apresentar atuações excelentes de Mark Ruffalo (como é de se esperar) e Keira Kninghtley. Mas não é só. O filme ainda conta com a participação de Adam Levine, vocalista do Maroon Five e técnico do The Voice americano, no papel de namorado de Gretta e que, em alguns momentos, parece bastante com o próprio cantor-que-brinca-de-atuar. Aliás, os fãs do The Voice vão se deliciar: CeeLo Green, outro famoso técnico do reality, também faz uma participação luxuosa no longa.

Tratando de sonhos e desilusões, motivações e percalços da vida, utopia e realidade, o filme te pega ao fazer com que nos importemos com Gretta e Dan. De personalidades destoantes, mas que se complementam, o foco da história é a vida dos personagens, mesmo que um pequeno interesse seja levemente perceptível, mas nunca concretizado. São os sonhos e as decepções que os unem e os motivam a concluir o projeto que iniciam juntos.



Mesmo Se Nada Der Certo, apesar de ser calcado na música e ter uma excelente trilha sonora, não é um musical. É despretensioso e, exatamente por isso, um filme delicioso, que te arrebata e emociona. É mais sobre seres humanos, sorte e escolhas do que um romance ou um drama. É filme que termina e te deixa feliz por tê-lo assistido. 

Por isso, se não havia planos para assistir ao filme, corrija isso e permita-se embarcar em uma trama envolvente e se embalar nas adoráveis canções e sonhos de Gretta e Dan. É imperdível!

Leia Também:

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

0 comentários:

Share