4 de out de 2014

O Teorema Katherine, de John Green




Imagine se seu histórico amoroso fosse composto por uma lista de 18 pessoas, todas com o mesmo nome. Bizarro, não? E se praticamente todas essas pessoas tivessem terminado contigo, mesmo você sendo um jovem prodígio, tamanha sua inteligência? Pois essa é a vida de Colin Singleton, um adolescente que, ao tomar o seu décimo nono pé na bunda de uma Katherine, sai em uma viagem de verão ao lado de seu melhor amigo Hassan. E, é claro, essa viagem será inesquecível e reveladora para Colin.

Escrito por John Green, do aclamado A Culpa é das Estrelas, esse O Teorema Katherine mantém o estilo do autor, apesar de contar uma história totalmente diferente. Aqui, o protagonista Colin é uma pessoa totalmente despreparada para o contato social, já que tem por objetivo deixar de ser um simples prodígio e se tornar um gênio. E acompanhar sua história é fácil e agradável. Apesar de Colin ser um tanto quanto egocêntrico, nos vemos torcendo por ele, sem nem mesmo saber os motivos.

Com Hassan, Colin acaba chegando a uma pequena cidade do interior americano, Gunshot, onde, curiosos, acabam fazendo uma parada e até mesmo ganhando um emprego provisório. É em Gunshot que conhecem Lindsay Lee Wells, uma verdadeira caipira que, apesar de ser filha da mulher mais rica da cidade, não quer de jeito nenhum sair de sua vidinha no campo para encarar o mundo fora dali. A cidade também inspira Colin a tentar provar matematicamente que todo relacionamento tem um prazo de validade, o que ele aprendeu durante os seus diversos namoros com as diferentes Katherines.

John Green é bom em criar personagens e sabemos disso. Isso, aliado à suas histórias divertidas, ganha os leitores, que continuam comprando seus livros e embarcando em suas tramas. Com O Teorema Katherine, o maior trunfo de John é, mais uma vez, seus personagens. Se Colin é um prodígio complexo, seu melhor amigo Hassan é um gordinho simpático, que podemos facilmente visualizar como sendo um nosso próprio melhor amigo. E Lindsay é tão fofa e querida, que nos pegamos torcendo por ela e por Colin, mesmo sabendo que será improvável que os dois fiquem juntos, afinal, ela não é uma Katherine. Será?

Apesar dos momentos clichês provocados pelo conhecido choque que acontece quando pessoas da cidade se vêem tendo de morar no interior, tão comuns em filmes e livros americanos, O Teorema Katherine é divertido e uma típica e deliciosa leitura descompromissada que você irá devorar em pouquíssimo tempo.

Além disso, por seu protagonista ser um prodígio, com uma ótima memória para decorar, o livro é recheado de rodapés deliciosos explicando as coisas mais bobas, mas que fazem da leitura ainda mais agradável. Também, se você for fã de matemática, achará interessante que todas as fórmulas aplicadas por Colin para criar o seu Teorema, ganham explicação de um especialista da área em um apêndice bastante completo ao final do livro.

O Teorema Katherine é, dessa forma, indicado aos fãs de uma história divertida. Aos fãs de matemática. Aos curiosos. E, é claro, a todo mundo que queira ler uma bom livro e se deliciar com ele.

Autor: John Green
Páginas: 304

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

0 comentários:

Share