11 de out de 2014

Primeiras Impressões: The Flash




A briga entre Marvel e DC já vem de muito tempo e muitos fans boys se engalfinham entre qual marca tem o melhor conceito. O ponto é que a Marvel vem dominando o mundo cinematográfico melhor que a DC, entretanto a DC vem dando a resposta no universo televisivo (seriados) e, pra esquentar mais a disputa, nesta semana estreou a nova serie da DC, The Flash, que passa a nos contar a historia do herói mais rápido do mundo. 

O piloto começou da forma que já estava na cara: “Meu nome é Barry Allen, e eu sou o homem mais rápido do mundo”. Como já conhecemos Barry de Arrow, pode-se dizer que já estávamos familiarizados com a cara do personagem, o que contribui bastante para a empatia com ele.

A série se inicia com Barry narrando fatos de sua vida, como a misteriosa morte de sua mãe, seguida de uma reintrodução de Barry Allen, até mesmo para aqueles que não viram o futuro herói em Arrow. O início tem todo aquele ar clichê que as histórias de super heróis tem, e dou ênfase à cena em que Barry dá uma de Sherlock Holmes ao investigar uma cena de crime (para quem não entendeu a referência, recomendo que assista Sherlock, seriado britânico de alta qualidade que narra as aventuras do épico detetive). Foi algo legal de se ver, dá um aspecto policial à série e prevejo episódios bastante focados nisso, o que no meu ver é bastante interessante. 

Barry perdeu a mãe aos 11 anos de idade, sob circunstâncias misteriosas, que só começariam a ser explicadas no futuro, quando ele sofre um acidente dentro de um laboratório. Não é um acidente qualquer: ele sofre os efeitos da combinação de um acelerador de partículas com um raio que cai no local onde ele está.


O modo como ele adquiriu os poderes difere dos quadrinhos. Na série foi inserido o “Acelerador de partículas” que se encarregou de trazer mais meta-humanos pra trama, e isso é algo que, com certeza, te fez lembrar Smallville. Então é de se esperar que vejamos dezenas de vilões meta-humanos no decorrer da série.

Aproveitando a deixa, quero ressaltar a importância de Smallvile, que foi a pioneira neste segmento e creio eu, não fosse seu sucesso, talvez não houvessem mais séries do mesmo segmento. 

O piloto tem todo aquele ar de que já sabemos o que vai acontecer, mas mesmo assim me surpreenderam muito os efeitos introduzidos à serie e como o canal CW evoluiu neste quesito, entregando um produto acabado e de alta qualidade. Se disse que parece que já sabemos o que vai acontecer, isso se deve pela trajetória similar que este tipo de programa tem pra oferecer, e isso nem sempre pode ser encarado de forma negativa, como já citado, ao menos neste primeiro episódio, a fórmula funciona muito bem. 

As atuações do elenco fluem bem e Grant Gustin merece o destaque. O ator nos entrega um Barry Allen entre o ingênuo, cômico e sonhador, que tem muito que amadurecer ao longo de sua jornada.


Não quero entrar em detalhes para não dar spoilers, apenas ratifico que a série da DC e CW veio forte e promete esquentar ainda mais a rivalidade com a Marvel. Ah, um detalhe muito importante nesse primeiro episódio: já vemos aqui a aparição de um famoso herói que aconselha o nosso jovem corredor. 

Para quem é fã do gênero, creio que irá se deliciar com The Flash. É bom lembrar que a nova série se junta agora a Gotham (cujas Primeiras Impressões já contei aqui) e a já conhecida Marvel Agents of Shields. É escolher a sua preferida (ou todas elas) e se divertir!

Leia Também:

Leandro Faria  
Artur Lima: aficionado por cinema, música, seriados e livros, não nesta ordem, apaixonado por dias frios e chá. Estudante de Comunicação Social, acha que sabe de tudo e sonha em trabalhar com cinema.
FacebookTwitter

0 comentários:

Share