13 de nov de 2014

Para Onde Ela Foi, de Gayle Forman




Quando li Se Eu Ficar, fui pego de surpresa. Eu não sabia nada da história e fui descobrindo a trama de Mia com o desenrolar dos acontecimentos do livro, página a página. Gayle Forman, a autora, foi feliz na forma que mexia com a emoção dos leitores, tornando-os empáticos ao drama de Mia e seus desdobramentos. 

Por isso, foi com expectativa e medo que comecei a leitura de Para Onde Ela Foi, continuação dessa história, lançada no Brasil pela Editora Novo Conceito. Porque Se Eu Ficar tinha um estilo narrativo peculiar, com Mia nos fazendo acompanhá-la em sua situação que, convenhamos, terminou em um anti-clímax no final do livro. Era inevitável que nos questionássemos: o que aconteceu depois?

Para Onde Ela Foi nos responde a essas perguntas e Gayle Forman é, mais uma vez, esperta demais. Depois de nos deixar apaixonados por Mia e seu jeito, agora não é mais ela a narradora da história. Logo de cara tomamos um baque, até percebermos que quem nos conta a história agora é Adam, o namorado de Mia. Ou melhor, ex-namorado. Em três anos, tudo mudou e não foi para melhor, pelo menos para Adam.

Deixado por Mia, que foi estudar em Juilliard, Adam acabou fazendo da música, sua válvula de escape. O resultado foi que a Shooting Stars, sua banda, alcançou fama nacional e hoje ele é um popstar, namorando uma famosa atriz, mas infeliz. Vive à base de remédios para ansiedade, em briga constante com os demais membros da banda, e nunca superou o afastamento de Mia. Até que um dia, às vésperas de uma viagem para sua nova turnê, Adam entra por impulso no Carnegie Hall para assistir a um concerto de Mia. E a partir daí a trama se desenrola.

Contando a história no presente a através de flashbacks, Gayle Forman nos mostra como as vidas de Adam e Mia tomaram caminhos opostos, mas nos lembra a todo instante o motivo de torcermos tanto pelo casal. A escrita continua deliciosa e Gayle se firma, para mim, como uma das boas autoras modernas.

Singelo e meigo, Para Onde Ela Foi acaba nos encantando tanto quanto Se Eu Ficar. É uma leitura emocional e deliciosa, que nos faz pensar sobre nossos sonhos, planos e obstáculos. É literatura para jovens, mas feita com cérebro e uma boa dose de carinho por sua autora. É imperdível, como o primeiro livro.

Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter

1 comentários:

Alexandre Melo disse...

Olha, não conheci e ainda que o tema não seja minha praia, a resenha me deu vontade ler, acho que vou arriscar..

Share