23 de dez de 2014

Garota Exemplar, de David Fincher







Normalmente, prefiro ler um livro e, só depois, assistir a um filme inspirado na obra literária. Não sei quando desenvolvi esse hábito, mas como normalmente prefiro as histórias escritas às suas versões, muitas vezes protelo assistir a determinado filme, unicamente por não ter lido o livro que o originou. Entretanto, existem exceções, que me fazem ansiar desesperadamente por ler um livro, exatamente por eu me apaixonar por um filme que acabei assistindo antes. É o caso de Garota Exemplar (Gone Girl, no original), excelente filme de David Fincher, estrelado por Ben Affleck e Rosamund Pike.

A trama de Garota Exemplar é interessantíssima: Amy e Nick se conheceram, viveram uma história de amor e, com o passar dos anos, viram seu casamento desmoronar. Assim como diversos casais, vivem uma vida estranha, onde cada um desempenha um papel bem diferente daqueles exercido no início do relacionamento. Até que um dia, em pleno aniversário de casamento, Amy desaparece. E é esse desaparecimento que guia a trama do filme, assim como a dúvida: será que Nick matou sua esposa?




Baseado no livro homônimo de Giullian Flynn, o livro segue duas linhas narrativas: uma, no momento atual, logo após o desaparecimento de Amy, enquanto acompanhamos a investigação e vemos Nick ser cada vez mais encrencado; na outra, via flashbacks, conhecemos o relacionamento de Nick e Amy, a história de amor narrada pelas palavras escritas da desaparecida.

O mais legal, entretanto, é não termos ideia do que efetivamente aconteceu. Porque, se Nick parece culpado logo de cara, essa obviedade nos faz desconfiar de que algo está errado. Mas o quê? Fora que a própria Amy é um tanto quanto misteriosa. Filha de pais escritores, inspirou a criação da personagem infantil Amazing Amy (daí o título em português), amada por crianças de todo o mundo. E, como não poderia deixar de ser, a criação é muito mais perfeita que a original, o que a faz viver uma batalha constante para se mostrar tão boa quanto a personagem. Complexo, não?



Se o enredo é instigador, o desempenho dos atores ajuda e muito a trama. Ben Affleck constrói um bom Nick Dunne, ao mesmo tempo angustiado e revoltado, que nos faz duvidar o tempo todo de seu caráter. Mas é Rosamund Pike quem efetivamente rouba a cena. Sua Amy Dunne é crível e a atriz se entrega de corpo todo ao papel (o melhor de sua carreira, diga-se de passagem), que já está sendo indicado a vários prêmios (e seu nome certamente deve ser lembrado no Oscar). Além dos dois, brilham também Neil Patrick Harris e Carrie Coon.

Já David Fincher apresenta o que se espera dele, construindo um drama psicológico excelente que é, certamente um dos melhores do ano. Sua direção sempre segura apenas faz dessa história ainda mais interessante.

Bem realizado, Garota Exemplar é um filme excelente. E, como eu disse, aguçou ainda mais meu interesse em ler a obra que o inspirou que, dizem por aí (e meus amigos normalmente são bons em indicações) é ainda melhor que o filme. Vou conferir!
Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter


3 comentários:

Liiz Buarque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Liiz Buarque disse...

O nome da autora do livro é Gillian e não "Giullian".

Gi Zamai disse...

Espero que o filme seja bom, porque se tiver o mesmo final do livro, vou odiar tanto quanto!

Share