1 de dez de 2014

#VergonhaAlheia - Ano II - # 30




Episódio # 30 da #VergonhaAlheia no ar, minha gente! Gastaram muito na Black Friday? E no Black Saturday? E no Black Sunday? Sim, porque o Brasil adora essas coisas, né? Aqui na cidade onde eu moro (Barra Mansa / RJ, mas eu não tive culpa) teve até Pré-Black Friday... Pois é, né? A galera entende mesmo das coisas.

Quem aí mora no Rio de Janeiro e viu a Marcha do Orgulho Hétero passar? "Marcha do Orgulho Hétero, Glauco?". Sim, Marcha do Orgulho Hétero! Ah, não acreditam? Eu juro, a imagem acima e que abre o post é real.

Exatamente! Marcha do Orgulho Hétero, meus amigos. E eu não me canso de repetir isso porque chega a ser engraçado de tão triste.

A Marcha do Orgulho Hétero reuniu vinte pessoas. Graças à tamanha união heterossexual, com bolas azuis representado meninos/homens e rosas, representando meninas/mulheres, uma bandinha (dessas que tocam na porta de loja que está inaugurando, sabem), e placas com os dizeres "Menino é Menino", "Menina é Menina", "Preservar a Espécie", "O Perú Tá Dentro" (???), "Lanças e Fendas" (???????). Ah, e teve essa aqui também, ó:




Pobre velhinho, tão oprimido... Senti aqui a dor de sofrer heterofobia... Ô, minha gente, para com isso, para que tá feio demais pra caramba! (desse jeito mesmo, eu não errei). Nem na Marcha pra Jesus o público é cem por cento hétero, galera, vamos parar pra refletir que existe coisa muito melhor pra se fazer num Rio de Janeiro nublado, vai.

(Fato curioso: só agora eu entendi o significado de "Lanças e Fendas". Tá tarde já, eu não to raciocinando muito bem).

Um dos integrantes da pequena grande vergonha alheia ficava exibindo sua plaquinha de heterofobia no Posto 9 (point gay do Rio). De onde esse povo tirou que existe heterofobia? Gente, é sério, eu queria muito ter visto isso ao vivo, de verdade, deve ter sido muito bizarro! Do jeito que eu sou, era capaz de pedir uma plaquinha e sair gritando palavras de ordem também, só pra saber como é passar por tamanha vergonha.

Falando em bizarro, vergonha, opressão, fobias, lanças e fendas, vamos dar uma olhada nisso aqui:



Como diz meu amigo virtual, Miguel: "Achei tendência!". Zeus me livre, isso sim!

A moda agora é protestar, né? Desde os vinte centavos (que eu adorava ver os descamisados, diga-se de passagem) que o povo sai nas ruas, posta fotos, hashtags, o caramba a quatro, só pra dizer que protesta. Por que não estou levando esse protesto a sério? Logo eu conto, vamos antes à explicação.

Pintar as axilas é um protesto contra as regras que a sociedade impõe, o que não é lá muita novidade, já que o que não falta é protesto e música sobre isso, então já começaram perdendo aí. Mas não é só uma forma de protesto, não, viu! Pintar as axilas também visa dar uma cara mais alegre para os sovacos. Isso aí. O protesto já começa com cara de moda, sim!

Inclusive tem até tutorial de como fazer vergonha alheia colorir as axilas, super acessado, inclusive. E não para por aí, sério:


Que merda, gente... Roxie, a blogueira que fez o tal tutorial, disse que mais pra frente espera conseguir colorir os pêlos pubianos...

Elas podiam simplesmente deixar crescer? Sim, elas podiam. Mas não, esse povo não se contenta com pouco, né? Impressionante! São, basicamente, os figurantes na vida real. Sabem como é figurante de novela, né? Sempre dão um sorrisinho a mais, fazem carão, pra poder sair bem na câmera. Na vida real tem disso também, só que em forma de axila colorida, viu?

Quem podia adotar essa do sovaco colorido é o Lucas Lucco (aquele que se diz Rick Martin brasileiro, ou seja...). Lucas, esse maravilhoso cantor (o que ele canta?), está concorrendo ao prêmio Melhores do Ano do Domingão do Faustão na categoria de Melhor Cantor (sério, o que ele canta?), mas parece que ele não anda bem na votação, então o que ele fez? Sim, começou a levar suas fãs pro seu escritório (sim, ele tem) e oferecer lanche, salgadinho, suco de groselha, essas coisas, tudo em troca de voto. Tá parecendo coisa do shopping de Volta Redonda, cidade vizinha daqui, que oferecia cachorro-quente e refrigerante em troca de participação nas propagandas...


Mas gente, é mole? Comprando o povo com comida? Bem, isso diz um pouco sobre a qualidade do cara, né, afinal, se o Rick Martin brasileiro (risos) precisa fazer isso pra conseguir voto, significa que nem as fãs (?) dele estão ajudando, né? Tá bem triste a situação da Música nacional, viu? Bem triste...

E o tio Glauco vai ficando por aqui, meus amigos. Semaninha fraca, teve vergonha política, teve outras coisas também, mas a maioria delas era fofoca, e eu ainda não virei Fabíola Reipert (inclusive adoro), mas aqui a gente foca apenas em falar mal.

Boa semana pra todo mundo, se virem algo digno de vergonha alheia, manda pra gente nos comentários ou me grita lá no Twitter, tá? (vai aparecer um cara com gorrinho falso de Papai Noel, mas sou eu mesmo). 

FUI!
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, um espírito livre, observador do tempo, da vida e das muitas timelines da web. Sonha em ter muito dinheiro pra poder cair no mundo, aprender tudo o que puder. Acredita que jazz, blues, soul, pop, samba, pagode e erudito sejam as trilhas sonoras perfeitas para a vida que leva
FacebookTwitter


0 comentários:

Share