27 de jan de 2015

Primeiras Impressões: Felizes Para Sempre?





Estreia da Globo nessa segunda-feira, Felizes Para Sempre? chegou mostrando que a tradição da emissora de iniciar o ano com excelentes minisséries foi mantida mais uma vez. Releitura de Quem Ama Não Mata, de 1982, e escrita pelo mesmo Euclydes Marinho da obra original, a trama é envolvente e tem tudo para conquistar a audiência do canal e até mesmo outros públicos, já que o horário de exibição permite um certo despudor não comum nas atrações do canal. 

Com direção geral de Fernando Meirelles, a série se apresentou de maneira interessante. Para quem esperava uma minissérie padrão, a divisão por episódios, com títulos para cada um dos capítulos, já impressionou. E em Onde Colocar o Desejo?, capítulo de estreia, fomos apresentados aos personagens que guiarão nosso olhar por toda a trama que, com 10 capítulos, se encerra na sexta-feira da semana que vem e que, pelo visto, não poupará o telespectador de cenas quentes aliadas a uma história polêmica.

Centrada nos membros de uma família composta por um casal e seus três filhos, além de suas respectivas esposas, já deu pra perceber que desfuncionalidade deverá ser a palavra de ordem. Apesar de aparentemente felizes, nenhum dos casais da trama o é verdadeiramente, como a interrogação do título, muito bem empregada por sinal, já dá a entender.


Dionísio e Norma, Cláudio e Marília, Hugo e Tânia, Joel e Susana. Esses são os quatro casais protagonistas da história, mesmo se em Onde Colocar o Desejo?, tenham sido Cláudio e Marília os protagonistas absolutos do que foi visto. Mas, no aniversário de 46 anos de casamento de Dionísio e Norma, foi possível observar um pouco de cada um dos casais e suas peculiaridades. 
  • Dionísio e Norma, casados há quase meio século, apesar de amarem-se, enfrentam o problema de ereção do patriarca; para completar, Norma lida com o assédio de Guilherme, um jovem professor da mesma universidade onde ela leciona. 
  • Cláudio e Marília, o casal em foco em Onde Colocar o Desejo?, vivem uma relação morna desde que o filho de ambos, ainda garoto, morreu afogado numa piscina. Com Cláudio pulando a cerca constantemente e Marília fazendo de tudo para sentir-se desejada e amada pelo marido, os dois são levados à terapia, onde surge a ideia de contratarem uma prostituta para apimentar a relação do casal.
  • Hugo e Tânia, casados e com um filho adolescente, enfrentam o desinteresse em sexo da esposa, enquanto o marido quer tentar ser pai novamente. Tânia, uma cirurgiã plástica aparentemente workaholic, tem pavor da ideia, fugindo do apetite sexual voraz de Hugo, e nem mesmo cogitando uma nova gravidez.
  • Já Joel e Susana formam o mais jovem casal da trama que, depois de três anos de casamento, decidem se separar ainda apaixonados. O amor ainda existe, mas a relação já acabou. Práticos, surpreendem a família com o anúncio da separação em plena comemoração dos 46 anos de casados dos pais de Joel.

Com um elenco afiado e alguns rostos desconhecidos, Felizes Para Sempre? possui uma direção segura de Fernando Meirelles, que arranca, pelo menos em seu episódio inicial, excelentes resultados de seus atores.

Maria Fernanda Cândido e Enrique Diaz mostraram sintonia como o casal com problemas. Selma Egrei, que eu particularmente adoro (principalmente devido ao seu desempenho em Sessão de Terapia), apesar de com pouco tempo em tela, já mostrou que vai ser uma das grandes atrações da minissérie. Enquanto isso, Adriana Esteves, João Miguel, João Baldasserni e Caroline Abras ainda não puderam mostrar a que vieram.

Isso sem contar que nomes como Paola Oliveira e Cassia Kis Magro ainda nem mesmo apareceram em tela. Quer dizer, Paola fez uma pequena participação no final, nos apresentando sua Danny Bond, a prostituta que promete agitar essa trama, que contará ainda com um crime misterioso em seu desenrolar.

Aliado às boas atuações, o cenário de Brasília foi uma escolha acertada para a produção. Fugindo um pouco do eixo Rio - São Paulo, ter a capital federal como paisagem foi uma grande lufada de frescor para a minissérie. Que também brincou com recursos visuais, como apresentar as mensagens de texto dos celulares, em caixas de texto em plena da tela da televisão, e investiu em uma trilha sonora moderna e deliciosa. Eu curti bastante!

Com apenas um episódio apresentado, poderia ser complexo avaliar a qualidade do todo de Felizes Para Sempre?. Entretanto, como o visto na telinha surpreendeu e conhecendo o potencial de seus realizadores, não tenho medo de errar: eis uma série que nos fará dormir mais tarde durante duas semanas, sem reclamar!

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter


0 comentários:

Share