9 de abr de 2015

Pop 5ive: Filmes Estrelados Por Cher





Primeiro conheci Cher como atriz. Foi bem mais tarde, em 1999, que descobri que ela também era cantora. Uma cantora fabulosa, diga-se de passagem. Fiquei chocado, deliciosamente chocado, com o primeiro hit que ouvi da atriz/cantora, a inexorável Believe. Uma música tão poderosa e irresistível, que virou tema de novela, tocou incansavelmente em todas as pistas do mundo e até hoje, 16 anos depois, vive pulsante no coração da gente e nas melhores baladas.

Impressionante foi descobrir depois que Cher não era uma novata na indústria fonográfica. Não era uma atriz se aventurando na música, mas sim uma veterana, que ficou famosa como parte da dupla de folk rock Sonny & Cher, formada com o marido em 1965. E eu só vim a descobrir isso 34 anos depois, assistindo ao clipe lindo e psicodélico de Believe na MTV. Desculpe gente, mas eu era uma bichinha nova, que passou a infância sem televisão e principalmente sem acesso a internet.

O fato é que Cher, entre a década de 80 e a primeira metade dos anos 90, dedicou-se mais à carreira de atriz, resgatando com força total seu lado cantora com Believe, no final desta mesma década, e tornando-se assim uma espécie de rainha-diva-musa dos gays, pois diferentemente de Madonna, Cher tem voz potente e é uma atriz talentosa. E, antes que os fãs me atirem pedras, deixo claro que gosto muito de Madonna e seus filmes, mas confesso minha preferência por Cher, ainda que muitos gays bitolados a chamem de cafona e ultrapassada. 

Cher é diva na raiz da palavra, pois muito antes de Madonna e há anos luz dessa enxurrada de "divas" pop que assolou os anos 2000 (e em meu texto Deve Ser Cansativa Ser Diva (do Pop) Gay, no Barba Feita, falo bastante sobre o assunto), ela já existia, popularizando seu estilo com uma sonoridade suave e se estabelecendo como cantora solo ao separar-se do marido, com clássicos como Bang Bang Dark Lady, canções que lidam com temas raramente discutidos na música popular americana.

Mas hoje o tema é sobre Cher e seus filmes já que, ao retomar o posto de cantora cultuada número 1 nas rádios, ela deixou um pouco de lado sua face atriz, tendo aparecido pouco no cinema, recentemente estrelando ao lado de Christina Aguilera o criticado, mas gostosinho Burlesque (2011) e fazendo uma participação especial na comédia Ligado em Você (2004), junto da brasileira Fernanda Lima. 

Como também sou muito fã da Cher atriz, preciso dizer que a considero uma artista completa, sendo a única a ter alcançado o primeiro lugar nas paradas da Billboard em cada uma das últimas seis décadas e ter recebido todos esses prêmios: um Oscar, um Grammy, um Emmy, três Globos de Ouro e o prêmio de melhor atriz no festival de Cannes. Além de ser reconhecida como uma das artistas mais bem sucedidas da história, por vender mais de 100 milhões de álbuns solo e 40 milhões de cópias como parte da dupla Sonny & Cher

Mas, por sentir uma falta enorme de vê-la atuando, recordarei agora os mais legais e mais importantes filmes de sua carreira. Vem comigo!

Marcas do Destino (Mask - 1985)

Drama baseado na história de Rock Dennis, um adolescente que nasceu com uma estranha deformidade no rosto, e todos acham que usa uma máscara. Cher, em seu papel principal no cinema, é Rusty, mãe do rapaz. Com a ajuda do amor descompromissado e a inabalável determinação de sua mãe, Rocky enfrenta a dor, a solidão e os preconceitos, para emergir como um extraordinário jovem que se torna uma inspiração para seus colegas e professores.

Cher brilha e emociona neste grande drama familiar, que é um marco em sua carreira cinematográfica, e reinava na Sessão da Tarde, quando esta ainda prestava.

Feitiço da Lua (Moontruck - 1987)


Loretta é uma jovem viúva que está noiva e vai se casar com Johnny Cammareri, um homem mais velho. Mas quando ela conhece o padeiro Ronny Cammareri, seu futuro cunhado, fica apaixonada por ele.

Nesta comédia romântica, Cher tem como par Nicolas Cage, e sua atuação leve e divertida, lhe rendeu o Oscar de melhor atriz, entre outros prêmios.

As Bruxas de Eastwick (The Witches Of Eastwick - 1987)

Em uma pequena e conservadora cidade da Nova Inglaterra, Alexandra Medford, Jane Spofford e Sukie Ridgemont, entediadas com a vida que levam, se reúnem todas as quintas-feiras para tomarem drinques e conversarem sobre vários assuntos. O principal deles é um homem ideal e, sem querer, invocam Daryl Von Horne, um ricaço misterioso e carismático que se muda para a localidade e se envolve com as três, satisfazendo seus desejos, mas criando uma guerra dos sexos com consequências inesperadas.

Na pele de Alexandra Medford, Cher divide a cena com as estrelas Susan Sarandon, Michelle Pfeifer e o astro-rei Jack Nicholson, e consegue em meio a esta constelação se destacar. O filme é uma comédia com toques sobrenaturais bastante divertida. Inspirou um musical da Brodway e chegou aos palcos brasileiros em 2011.

Sob Suspeita (Suspect - 1987)

Logo após o suicídio de um juíz, uma mulher é encontrada morta, vítima de um terrível assassinato. Um mendigo veterano do Vietnã é acusado. Kathleen Riley é uma atarefada advogada pública de Washington que precisa de férias, mas foi designada para mais um caso, e não apenas de um crime ou criminoso. O lobista Eddie Sanger foi selecionado como jurado logo no momento em que este grande caso ia a júri. Durante o processo, Eddie descobre uma prova que pode ajudar a defesa de Kathleen e a contacta fora do tribunal, uma clara violação da lei. Uma prova bizarra leva Kathleen a uma perigosa procura em Washington, nas entranhas do próprio governo. E quanto mais perto ela se aproxima das respostas, mais perigo ela corre.

Cher, como a advogada Kathleen, e Dennis Quaid, como Eddie, tomam a lei com as próprias mãos, neste suspense espetacular, em que tudo é revelado na corte, menos a verdade.

Cher, bem diferente das comédias em que nos acostumamos a vê-la, está ótima no papel. O filme tem um roteiro excelente, que te prende do início ao fim. E comprovamos que o ano de 1987 foi bastante produtivo para Cher no campo da atuação.

Minha Mãe é Uma Sereia (Mermaids - 1990)

Em plenos anos 60, uma espirituosa mãe solteira cuida com carinho de suas duas filhas. Mas seu jeito de ser, sexy e descompromissado, cria confusões na cabeça da filha adolescente que, apesar de judia, alimenta sonhos de se tornar uma freira. Charlotte é uma adolescente dividida entre sua paixão por um belo rapaz e seu desejo de tornar-se freira, algo um pouco problemático para uma garota judia. Para completar sua angústia adolescente, Charlotte tem uma irmã mais nova, Kate, determinada aspirante a nadadora, a quem ela carinhosamente chama de "cabeça de peixe", e sua mãe, Mrs. Flax, uma mulher sensual, ousada e alegre, que se muda para uma nova cidade a cada vez que vislumbra uma leve possibilidade de um escândalo - o que é frequente. Mas mesmo com o conflito de seus estilos pessoais, essas três mulheres incrivelmente diferentes começam a perceber que nada - nem mesmo uma tragédia que ameaça a própria vida - pode abalar os fortes laços de família que as une.

Sem sombra de dúvidas, este é meu filme predileto estrelado por Cher. Sua presença nas telas é sempre magnética, mas neste longa ela está especialmente fascinante, acompanhada de Winona Ryder e Chistina Ricci como suas filhas, numa comédia familiar leve, sentimental e deliciosa. O elenco brilha com uma Cher "mágica e elétrica", Winona encantadora e divertida e Chistina Ricci adorável e cativante, sem falar na presença masculina, sempre simpática e carismática do saudoso Bob Hoskins, neste retrato hilário e tocante de uma mãe solteira nos anos 60, tentando ajustar-se a crescente independência dos seus membros.

___

Essas são as minhas escolhas para o nosso Pop 5ive, mas cabe dizer que Cher ainda estrelou outros filmes, como Silkwood - O Retrato de Uma Coragem (Silkwood), O Preço de Uma Escolha (If These Walls Could Talk), Chá Com Mussolini (Tea With Mussolini), Fiel, Mas Nem Tanto (Faithful) entre outros, provando que talento ela tem de sobra.

E você, quais os filmes de Cher que prefere? Conte pra gente!

Leia Também:
Leandro Faria  
Esdras Bailone: leonino, romântico, sonhador, estudante de letras, gaúcho de São Paulo, apaixonado-louco pelas artes e pelas gentes.
FacebookTwitter


1 comentários:

J. M. disse...

Esdras, me perdoe a falta de atenção. Mas li seu comentário e como era meu aniversário estava animado com o blogue, com as postagens do Face e deixei pra responder por último porque tinha que lembrar se estive realmente onde disse. Lembro do sábado porque fui a uma corrida na ZN...naquele horário. Mas na quinta não lembro...Ah...realmente meu blog é um bloguezinho. Isso eu assumo mesmo. Se comparado a tantos outros com tantas postagens e seguidores. Desculpe novamente pelo lapso na resposta.

Share