1 de abr de 2015

Primeiras Impressões: iZombie





É incrível como as emissoras, americanas ou nacionais, investem em algo que alcançou um sucesso imediato e instantâneo. Digo isso após analisar as ondas de sucesso que temos no momento, com outros se apropriando do mesmo para também atingir o seu ápice. 

Em 2008, o mundo (leia, adolescente) se rendeu aos vampiros e lobisomens da Saga Crepúsculo, o que originou diversas series na mesma temática, e entre elas se destacaram The Vampire Diaries e seu spin-off The Originals. Após o sucesso dos vampiros a nova onda veio através dos zumbis, graças ao mega sucesso de The Walking Dead, que segue firme e forte rumo à sua 6° temporada, e que proporcionou outras series como Znation e, vai ganhar um spin-off no final do ano, com o título Fear The Walking Dead. Fora os longa metragens como Meu Namorado é um Zumbi e Guerra Mundial Z, que seguem a mesma onda.

Mas ainda existe espaço para os zumbis e é acreditando nisso que iZombie, do canal americano CW, aposta para continuar na onda de sucesso. Primeiramente, se deve saber que iZombie é uma adaptação de HQs, ou seja, não é apenas uma onda do momento, embora queira pegar a crista do sucesso televisivo do momento.

iZombie, entretanto, não foi bem vista por grande parte dos críticos quando foi anunciada sua adaptação para TV e, devo confessar que eu também não fiquei entusiasmado quanto a essa notícia. Porém, admito que a série é promissora e tem seus méritos, e o primeiro vem de sua edição rápida e de fácil compreensão do que se passa em cena. 


Outro fator positivo é a escolha da atriz para o papel principal, Rose McIver, que já havia encantado por sua participação em Once Upon A Time, onde interpretou Tinker Bell (Sininho). Em iZombie ela vive (ou morre), o personagem de Liv Moore, uma médica aspirante à cirurgiã cardíaca com a vida encaminhada conforme seus planos. Com uma carreira promissora, um belo noivo (Major, interpretado por Robert Buckley) e uma boa relação com a família, Liv tinha tudo, até que morre em uma festa. Isso mesmo, uma nova droga estava rolando nessa festa e transformou todos em zumbis. Não é exatamente explicado se só Liv teve esse ‘efeito colateral’ de ser contaminada e virar uma morta viva, vivendo normalmente (se ignorarmos que ela come cérebros) ou como isso aconteceu.

Liv teve de desistir de sua vida perfeita, terminando o noivado por medo de contaminar seu noivo, largar seu emprego perfeito e ir trabalhar em um necrotério, além de ter dificuldades em se relacionar com seus entes queridos, por, obviamente, não poder contar seu segredo. Sua necessidade de comer cérebros também lhe dá as habilidades que a pessoas possuíam antes de morrer, como é dito por ela mesma “Você é o que você come”. Junto com as habilidades vem também as memórias e ela decide ajudar a encontrar o assassino, servindo de consultora ao policial Clive Babineaux (Malcolm Goodwin). 

A ideia é boa, a execução também, porém, tem coisa que me desagradou nesse piloto. A primeira coisa foi a adaptação, já que iZombie é um quadrinho de humor negro, que une todo um universo de monstros e satiriza várias coisas. Na série, carregaram e muito na carga dramática da personagem, visto que não existe esse foco na vida perfeita que ela tinha antes e tudo que perdeu, além de transformarem a história em uma bendita procedural (a famosa casos da semana). Sei que muita gente ama esse gênero e vai gostar de iZombie exatamente por ser uma procedural cômica, mas quem, como eu, já não aguenta mais ver tudo ser focado em uma investigação, irá reclamar do caminho que a série tomou com esse leque enorme de possibilidades que tinha. 


No lado positivo, a produção é muito bem feita. Começando pelas cenas que dão a impressão de ser dividida em capítulos, com uma introdução em formato HQ. Que fã de quadrinhos não fica feliz em ver isso? A linda e talentosa Rose McIver é o grande destaque e, sozinha, pode fazer com que você tenha vontade de assistir a série. Com seu jeito ‘To nem aí’ unido ao sarcasmo, a atriz faz valer os 40 minutos do episódio. 

Acredito que, aos poucos, alguns personagens da HQ irão começar a aparecer e expandir o universo sobrenatural. O jeito é conferir os próximos episódios para ver.

Leia Também:
Leandro Faria  
Artur Lima: aficionado por cinema, música, seriados e livros, não nesta ordem, apaixonado por dias frios e chá. Estudante de Comunicação Social, acha que sabe de tudo e sonha em trabalhar com cinema.
FacebookTwitter


0 comentários:

Share