10 de ago de 2015

#VergonhaAlheia - Resumão de Julho - Parte I





GENTE, QUE SAUDADE!

E aí, tudo bem? Tio Glauco tá de volta, trazendo junto a #VergonhaAlheia, porque sim, eu estava de férias, mas nada escapa aos olhos de Thundera, então eu fiquei de olho no que acontecia de mais vergonhoso, bizarro, estranho, esquisito, medonho... etc, no Brasil e no mundo. E como prometido, aqui vai o resumão do que houve no mês de Julho. Tem muita coisa, então eu vou dividir, ok? Quarta-feira tem a segunda parte. VAMOS LÁ!

Quem mais lembra da Elsa? Let It Go e tal? Lembraram? Pois bem! Toda criança quer uma festa de aniversário temática, não é mesmo? Eu já tive uma do Batman, mas enfim, não vem ao caso. Uma criança dos Estados Unidos quis porque quis um bolo com a Elsa em cima. Já imaginam a cena, né? Fez pirraça, se jogou no chão do mercado, gritando "EU QUERO A ELSAAA!", chamando a mãe de fracassada, aquela coisa... Aí a mãe, coitada, foi lá e arranjou alguém pra fazer o bolo, com a maldita da Elsa, né? Mãe é mãe. Só que não sei, tem algo errado com essa Elsa. Vamos conferir?



Gente, sério... Que diabos é isso?! Sei não, mas pra mim, as duas Elsas estão horríveis, tanto a prometida, quanto a entregue, viu? E teve gente comentando que achou a Elsa um tanto quanto bronzeada demais... AH, OK, ninguém reparou que ela tá toda desconfigurada, né? Que desgraça, olha... Um olho no padre e outro na missa, como dizem. Nesse caso, literalmente!

Falando em desgraça... Teve aquela febre chamada livro de colorir, não é? A única coisa que eu ando pintando mesmo são as cartelinhas da mega-sena, porque não tá fácil. Fez-se até aplicativo pra iPhone com o tal livro de colorir, e todo mundo que aderiu, é claro, se preocupou mais em postar no Instagram do que realmente colorir o tal livro, ou seja, mais um dia normal, porque hoje tudo vai primeiro pro Instagram, ou "Insta", como alguns insistem em chamar o aplicativo. "Ai, posta no 'Insta'!".

Só que não parou por aí, tá bem? Ontem foi Dia dos Pais, não foi? Então olha aí em cima que presentão que foi sugerido pela empresa brasileira Trave Underwear:

Ah, não acreditam no que estão vendo? Eu mostro mais aqui do lado, oh! 

Isso mesmo, senhoras e senhores, surgiu a cueca para colorir. Gente, me acode aqui, por favor!



Pensa bem: a dona de casa tá lá, morta e acabada por conta do almoço em família, aquele monte de criança reunida, gente falando alto, pagode, fumaça de cigarro, e ela só quer que o dia termine pra se aninhar com o maridão e fazerem aquele amor gostoso de Dia dos Pais. Aí chega o cara e: "Amor, sabe o que me deixa excitado? Que você pinte a minha cueca.". Olha, francamente...

E vamos terminar a primeira parte do resumão com um caso um tanto quanto engraçado...

Filma bem a cara dessa mulher:


Essa é April Lee Yates, de 51 anos, moradora da Carolina do Sul, nos EUA. April, gente finíssima, foi comer no Bennetts Calabash, e sua refeição ficou num total equivalente a R$ 83,00.

Até aí tudo bem. O problema é que, vejam só, April disse que não ia pagar porque, VEJAM SÓ, Jesus iria pagar a conta pra ela.



Ô April, ei April, deixa eu te falar uma coisa? Jesus tem mais o que fazer, viu? Agora, se o Jesus que ela tava falando era, sei lá, o jardineiro, ou empregado, a gente não sabe. O que se sabe é que April foi presa por tentativa de calote. Achei bem feito, eu hein! Oitenta e três pila, oras, baratinho! Custava nada passar no crédito...

E eu vou indo nessa, gente! Não se esqueçam de que amanhã tem texto meu no Barba Feita (mas podem irem no Barba hoje também porque todo dia tem texto bom lá!), e na quarta-feira eu tô de volta com a segunda parte do resumo das vergonhas de Julho, ok?

Um beijo, um queijo e até logo!

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, um espírito livre, observador do tempo, da vida e das muitas timelines da web. Sonha em ter muito dinheiro pra poder cair no mundo, aprender tudo o que puder. Acredita que jazz, blues, soul, pop, samba, pagode e erudito sejam as trilhas sonoras perfeitas para a vida que leva
FacebookTwitter


0 comentários:

Share