13 de set de 2015

#DocPop Especial: Betty Lago





Esta manhã acordei com a triste notícia da morte da atriz e apresentadora Betty Lago. Não consegui acreditar; porém, foi menos chocante do que eu imaginava, afinal, Betty lutava contra um câncer na vesícula havia três anos. Não que eu esperasse sua morte, mas diferente de outras famosas que parecem ter se recuperado bem de um câncer, como Ana Maria Braga, Patrícia Pillar e mais recentemente Arlete Sales, Betty me parecia debilitada, realmente doente, mesmo trabalhando a todo o vapor. Pensava que ela estava afastada da TV, mas essa semana vi uma chamada do programa Desafio da Beleza, do GNT e descobri que Betty continuava na ativa como uma das apresentadoras ao lado de Mariana Weickert, fiquei feliz por ela. Então hoje, a notícia deplorável. Abro os olhos, entro na internet e a primeira coisa que leio é sobre sua morte.

Fiquei consternado, pois Betty Lago era uma das atrizes, entre tantas, que mais gostava. Ex-modelo e de uma beleza classuda e sensual, Betty Lago era a síntese da sofisticação, elegância e requinte. De voz mansa e olhar penetrante, Betty era inteligente e engraçada, um poço de bom humor e alegria.

Nascida Elizabeth Lago Netto, em 24 de junho de 1955 no Rio de Janeiro, e da safra de modelos que se tornaram atrizes na década de 90, Betty Lago foi, sem dúvida, a mais talentosa. Iniciou sua carreira na televisão após passar 15 anos entre as principais passarelas da França, Itália e Estados Unidos, na minissérie Anos Rebeldes, de Gilberto Braga, em 1992. Na história, ela era a sofisticada Natália, esposa traída do personagem de José Wilker e mãe da rebelde Heloísa, vivida por Cláudia Abreu. Aos 37 anos, Betty estava no auge de sua beleza e parecia diretamente saída daquela década na qual se passava a minissérie, os anos 60, pois tinha o porte e a elegância de uma Audrey Hepburn.

O trabalho seguinte foi outra minissérie, Sex Appeal, de Antonio Calmon. Nesta, Betty viveu Vick, um papel sob medida pra ela. Ex-modelo que participava de um concurso para encontrar o novo rosto da agência Sex Appeal.


Após os dois primeiros trabalhos, Betty Lago foi contemplada, em 1994, com sua primeira protagonista, a rica e vingativa Abigail, de Quatro Por Quatro, primeiro trabalho de uma longa parceria com o autor Carlos Lombardi. Betty arrebatou fãs com a divertida personagem, que arma um plano de vingança com as outras protagonistas de Elizabeth Savalla, Cristiana Oliveira e Letícia Spiller, contra seus respectivos parceiros amorosos, que as traíram. A comédia das 19h de Carlos Lombardi foi sucesso absoluto e Betty pôde mostrar que não só era uma excelente atriz como também muito engraçada e desenvolta em textos cômicos, pois os diálogos de Lombardi caíam como uma luva em sua boca.

Seguiram-se inúmeros trabalhos, a maioria deles assinados por Carlos Lombardi. Betty virou queridinha na Globo, pois não é sempre que surge uma atriz bonita, talentosa, engraçada e elegante. A segunda novela foi Vira-Lata, em 1996, também de Lombardi, na pele de Walquíria, mais uma personagem cômica. Em 1997, assumiu o cargo de protagonista dramática, em sua primeira novela das 18h, O Amor Está No Ar (ler especial aqui), de Alcides Nogueira, dando vida à empresária judia Sofia Schneider, que disputa um namorado com a própria filha. Fez o remake de Pecado Capital, escrito por Glória Perez, em 1998, como Mila. Foi a divertida Brigitte de Uga Uga, em nova parceria com Carlos Lombardi, em 2000. Em 2002, em mais um grande papel, presenteada pelo amigo Lombardi, deu vida a Carlota Joaquina, na minissérie O Quinto dos Infernos, onde Betty brilhou na pele da desbocada mãe de D. Pedro I. Esteve em Kubanacan, de 2003, como Mercedes. Participou de Bang Bang, em 2005, quando esta deixou de ser escrita por Mário Prata e foi assumida por Carlos Lombardi, sendo Calamity Jane a sua personagem. Em 2006 fez sua última novela na Globo, também a última de Carlos Lombardi na casa, Pé na Jaca, como a misteriosa Morgana. Mas o último trabalho da dupla na Vênus Platinada foi o seriado Guerra e Paz, de 2008, onde fez a delegada Marta Rocha. O derradeiro trabalho na Rede Globo foi a minissérie de Aguinaldo Silva, Cinquentinha, em 2009, onde Betty era Rejane Batista, protagonizando ao lado de Suzana Vieira e Marília Gabriela a divertida história de 3 mulheres que se odeiam e são obrigadas a conviver debaixo do mesmo teto por causa de uma herança. Uma das curiosidades deste trabalho era a reedição da dobradinha com Tatiane Goullart, 15 anos após a marcante Quatro Por Quatro, onde ela era a mãe de criação da menina criada longe do pai biológico, e no trabalho atual elas faziam avó e neta.

Além desses trabalhos mais longos, Betty Lago fez diversas participações pequenas em outras novelas e participações especiais em seriados como Os Normais, Os Aspones, A Diarista, Mandrake, Casos e Acasos A Vida Alheia.

Em 2011, assinou contrato com a Record, após 19 anos na Rede Globo. Foi fazer um papel inédito em sua carreira de atriz, e pouco crível, a empregada doméstica Marizete, da novela de Cristiane Freedman, Vidas em Jogo. Ainda assim, Betty divertiu o telespectador com sua doméstica. Betty Lago não teve a chance de voltar à Globo, mas encerrou sua carreira como atriz em parceria com o grande amigo Carlos Lombardi, que transferiu-se para a Record em 2013, onde escreveu Pecado Mortal e deu a Betty a sofrida protagonista Stella Nolasco.

Incansável, Betty também se arriscou como apresentadora e saiu-se muito bem. A partir do ano 2002 tornou-se figura cativa no canal por assinatura GNT. Estreou com o programa GNT Fashion e entre 2005 e 2009 esteve à frente do programa Saia Justa, juntamente com a âncora Mônica Waldvogel, as atrizes Luana Piovani e Maitê Proença e a filosofa Márcia Tiburi, sendo essa a formação mais bapho da história do programa. 


Em 2012, Betty descobriu um câncer no intestino. Começou o tratamento e, em 2013, voltou ao trabalho à todo o vapor, ao lado de Leo Jaime, apresentando a segunda temporada do reality de casais Detox do Amor. No mesmo ano, ganhou o programa solo Pirei com Betty Lago. Atualmente apresentava a competição Desafio da Beleza. Também era vlogger, com um canal no Youtube chamado Calma Betty.

Betty Lago foi casada com o ator Eduardo Conde, que faleceu em 2003, e com o professor de educação física Guilherme Linhares. Deixa dois filhos, Bernardo e Patrícia, e o namorado, o ator e diretor teatral Clovys Torres, com quem estava há cinco meses. E, aos inacreditáveis 60 anos, Betty sai de cena de forma plácida e da mesma maneira que viveu: elegantemente, nos deixando órfãos de sua beleza, carisma, graça e talento. Vai fazer muita falta.

Leia Também:
Leandro Faria  
Esdras Bailone: leonino, romântico, sonhador, estudante de letras, gaúcho de São Paulo, apaixonado-louco pelas artes e pelas gentes.
FacebookTwitter


0 comentários:

Share