7 de set de 2015

Primeiras Impressões: Narcos





Antes de mais nada preciso dizer algo muito importante: NETFLIX, EU TE AMO!

Vou explicar esse amor. A Netflix apresenta um acervo de qualidade e, além disso, suas produções originais são um espetáculo, vide os exemplos de Orange Is The New Black, House of Cards, Demolidor e Sense8, entre outras. 

E, agora, somos apresentados à nova produção da Netflix, a série Narcos, onde acompanhamos a trajetória de Pablo Escobar, um dos maiores traficantes do mundo. É bom você saber que esse texto vai conter spoilers sobre Narcos, então vamos lá. 
“Realismo mágico é definido como o que acontece quando uma situação realista altamente detalhada é invadida por algo que é estranho demais para acreditar. Existe um motivo para o realismo mágico ter nascido na Colômbia. ” 
É com essa frase que a série começa, deixando claro que nem tudo que acompanharemos nesses dez episódios encontrará seu retrato fiel na história. E quem se importa? É sempre bom lembrar de distinguir documentários de obra de ficção pautadas na realidade, e Narcos faz questão de lavar as mãos sobre essa questão antes mesmo do primeiro frame.


Logo no começo somos apresentados aos personagens centrais da história. Primeiro ao agente do DEA, Steve Murphy, que narra os fatos que vemos em tela. Normalmente essa técnica fica chata, porém na trama de Narcos ficou muito bom, pois vamos entendendo o que de fato ocorreu, tanto na vida do agente Murphy quanto na entrada de Escobar no tráfico de cocaína. 

A série faz um jogo bem interessante com imagens reais, nos lembrando a cada momento que estamos assistindo uma série baseada em fatos reais, porém, com liberdade criativa no rumo dos acontecimentos. 

O destaque principal do episódio piloto poderia ser, sem dúvidas, o agente Murphy, mas não tem como ofuscar a interpretação de Wagner Moura. Mesmo não sendo tão parecido com Escobar, o ator se sente confortável no papel e nos entrega um personagem muito intrigante. Além disso, a direção de José Padilha no primeiro episódio é um show que, aliada à edição e fotografia desse piloto, se destacam. 

Narcos figura, sem sombra de dúvidas, entre as melhores estreias do ano e tem todos os elementos para “literalmente” viciar o telespectador, sendo mais uma aula de qualidade entre as produções originais da Netflix.

Leia Também:
Leandro Faria  
Artur Lima: aficionado por cinema, música, seriados e livros, não nesta ordem, apaixonado por dias frios e chá. Estudante de Comunicação Social, acha que sabe de tudo e sonha em trabalhar com cinema.
FacebookTwitter


1 comentários:

nasc disse...

Eu assisti os dez episódios e tudo o que você disse ai é a mais pura verdade, achei estranho eu torcer pelo Escobar na série mesmo ele sendo o vilão hahaha

Share