16 de out de 2015

Cidades de Papel, de Jake Schreier





Eu ando meio em débito com o meu hábito cinematográfico. Sou o tipo de pessoa que curte o cinema, a experiência, o ato de assistir a um filme no local em que ele foi pensado para funcionar. Nada contra a televisão ou os tablets e computadores, mas se eu posso escolher, prefiro ver o filme na telona, no escurinho, aproveitando a história junto com outras pessoas que curtem a experiência de assistir a um filme no cinema. Mas, com a correria do dia a dia, eu nem sempre consigo ver os filmes que estão em cartaz e, por isso, muitas vezes acabo me "esquecendo" de procurá-los em outras mídias.

Foi o que aconteceu com Cidades de Papel, que perdi enquanto era exibido nos cinemas. Eu não tinha nenhuma referência da história, apenas sabia que era baseado em um livro de John Green (que não li) e havia visto um trailer, mas fiquei curioso para ver o filme. Como não consegui fazer isso no cinema, deixei pra lá e acabei me esquecendo dele, até esse final de semana.

Eu gosto de John Green. Apreciei bastante A Culpa é das Estrelas (livro e filme), amei Will & Will e, apesar de não ter me empolgado tanto, curti O Teorema Katherine. John Green é um autor que sabe prender nossa atenção e suas histórias me parecem naturalmente cinematográficas. Assim, mesmo não tendo lido Cidades de Papel, fique curioso pela história do longa e, depois de conferí-lo, finalmente e com atraso, vejo que deveria ter me esforçado mais para tê-lo visto no cinema.

A história é interessante: Quentin é um jovem que sempre teve uma paixão platônica por sua vizinha, Margo, desde que ela se mudou para a vizinhança, quando eram pequenos. De grandes amigos a apenas conhecidos quando adolescentes, Quentin é surpreendido quando numa noite Margo o convida para ajudá-la em um plano de vingança contra seu ex-namorado e alguns amigos que acobertaram uma traição. Depois da aventura, entretanto, Margo desaparece, mas deixa algumas pistas sobre seu paradeiro para Quentin que, é claro, vai atrás dela, com a ajuda de alguns amigos.

Com bons atores e uma história interessante, Cidades de Papel nos prende desde o início. Os jovens protagonistas Nat Wolff e Cara Delevingne são carismáticos, assim como o elenco coadjuvante, que apresenta boas histórias além da principal. Justice Smith (Radar), Austin Abrams (Ben) e Halston Sage (Lacey) vivem os amigos de Quentin e Margo e seus plots são realmente divertidos. O grupo nos faz lembrar de nossas próprias adolescências e é muito legal isso.

Já o diretor Jake Schreier não inova, mas também não compromete o longa com seu trabalho. E, sendo o filme uma mistura de road movie com aventura adolescente, Schreier dosa bem a pílula, conseguindo nos fisgar com a trama e sua câmera que nos torna íntimos daqueles personagens.

O mais legal, entretanto, é que Cidades de Papel foge do final clichê e consegue surpreender com o desenrolar dos acontecimentos. O que fica, para os personagens e para os espectadores, é que as nossas experiências, sejam elas quais forem, ajudam a moldar as pessoas que vamos nos tornar no futuro.

Bonitinho e descompromissado, o filme é daquele tipo que empolga e que, por isso mesmo não é descartável. É diversão pura e simples, mas isso não é nenhum problema, não concordam? Assim, se ainda não conferiram, façam como eu e permitam-se conhecer esses adoráveis habitantes de Cidades de Papel.

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter


1 comentários:

Gabriela Corso disse...

Oi Leandro, primeira vez no seu blog! Parabéns, muito bem feito. Infelizmente não gostei de Cidades de Papel, talvez por já não ter curtido o livro. Margo chega quase a ser desprezível e mimada, e achei o Quentin pretensioso demais, no sentido de achar que tudo gira em torno dele.

Share