9 de out de 2015

Vai Que Cola - O Filme, de César Rodrigues





Desde que a lei que obriga os canais pagos a exibirem uma quantidade mínima de produção nacional entrou em vigor, uma grande quantidade de séries e realities (principalmente) passaram a ser produzidos e exibidos na televisão por assinatura brasileira. Algumas com mais sucesso que outras, é claro. E, entre os exemplos de sucesso, encontra-se a produção do Multishow, o Vai Que Cola.

Divertida, a sitcom lembrou um pouco o finado Sai de Baixo quando estreou, graças à sua produção gravada em um teatro, com plateia. Entretanto, com o passar dos episódios, a trama foi ganhando vida própria e angariando muito sucesso junto ao público, que se encantou com os personagens divertidos da atração. Ambientada no Méier, subúrbio carioca, Vai Que Cola começou contando a história de Valdomiro, um picareta do Leblon, que ao ser procurado pela polícia, acabou achando abrigo na pensão de Dona Jô, no Méier. Na mesma casa, além de Dona Jô, vivem Jéssica, a filha da proprietária que busca a fama a qualquer custo; Máicol, o namorado meio bobo de Jéssica; Ferdinando, o porteiro consierge da pensão; Teresinha, uma viuva espalhafatosa de um traficante; Velna, uma loira de Cascadura que se finge de tcheca; e Sr. Wilson, o faz tudo da pensão, apaixonado por Dona Jô.

Claro que, com o sucesso da série, ela não tardou a chegar aos cinemas, em um longa baseado no programa, que estreou na última semana. E, descompromissado, o filme diverte bastante, já que os personagens queridos pelo público não deixam nada a dever ao que já estamos habituados a ver na televisão. No filme, depois de algum tempo no Méier, Valdomiro tem a possibilidade de voltar à sua cobertura no Leblon, para aplicar um golpe e escapar para fora do país. Mas, depois que uma tempestade faz a pensão de dona Jô ser interdita pela defesa civil, todos os moradores de lá acompanham Valdomiro para o Leblon.

Bobinho, mas imensamente divertido, o filme acompanha o plot dos suburbanos que se mudam para a zona sul carioca. E os atores, já habituados a seus personagens, arrancam boas gargalhadas de toda a plateia. Paulo Gustavo (Valdomiro), Catarina Abdala (dona Jô), Cacau Protásio (Teresinha), Samantha Schmutz (Jéssica), Emiliano D'Ávila (Máicol), Fiorella Mattheis (Velna), Marcus Majella (Ferdinando) e Fernando Caruso (Sr. Wilson) sabem fazer comédia e lidar com seus absurdos personagens.

O meu problema inicial com o filme foi apenas o cenário mais real do longa, em comparação com a série. Foi estranho me habituar com os lugares "reais" em que os personagens passaram a circular, depois de tanto tempo vendo apenas cenários pela televisão. Mas isso passa rápido e, com as gargalhadas que o filme nos tira é fácil mergulhar na história.

Despretensioso e leve, o filme é pura diversão. Paulo Gustavo e seu Valdomiro, aliás, nos lembram em vários momentos que estamos vendo um filme e que isso é divertido até mesmo para eles, os atores.

Vai Que Cola - O Filme é assim um ótimo programa escapista e que vale o seu tempo e o ingresso. Divirta-se!

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter


0 comentários:

Share