5 de out de 2015

#VergonhaAlheia - Ano III - # 30




TRIGÉSIMA EDIÇÃO DO ANO, GENTE! Que delícia! 

Quem assistiu o filme Que Horas Ela Volta?, com a atuação maravilhosa da Regina Casé, sabe bem a mensagem que ele passa, não é mesmo? Ora bolas, tão na cara... Mas Margareth Carbinato não conseguiu pegar a mensagem do filme... Quem é Margareth Carbinato? É essa senhora aqui, ó:



Margareth, gente fina, é presidente e fundadora do Sindicato dos Empregadores, e acredita que, palavras dela, "não é porque o doméstico reside na casa que vai poder tomar certas liberdades como se fosse um hóspede", e também que "está faltando no ser humano cada um saber o seu lugar."

Para Margareth, a patroa era do jeito que era porque estava passando por uma situação difícil, e que não existem desigualdades, e mais um monte de coisa que me fez pensar: UAU, Margareth saiu do armário do preconceito mesmo, hein! O filme foi, ao mesmo tempo ótimo e angustiante, gente, sério! Não tem como não entender a mensagem real da trama, hein, tava bem na cara, ali, piscando em neon. Enfim, Deus sabe o que faz... 

Agora, quem aí lembra de Angela Ro Ro? Alguém? Bem, Angela, essa moça bacana e humilde cuja imagem abre nossa coluna de hoje, foi uma das convidadas do For Rainbow Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual, em Fortaleza ,e gente, até agora to tentando entender. 

Angela expulsou o apresentador do palco enquanto ele anunciava a cantora, e já chegou falando que não queria ninguém fumando, filmando, tirando foto e nem perto do palco. Uma simpatia de pessoa, quero ser melhor amigo. 

Segundo algumas pessoas que estavam lá, a cantora chutou alguns espectadores que estavam próximos ao palco, e quando um deles revidou, Angela fez o quê?! Começou a chamar a plateia de "viadinhos" e "bichinhas". Isso mesmo, senhoras e senhores, Angela Ro Ro teve a BRILHANTE ideia de sair do armário homofóbico e atacar uma plateia composta por vários homossexuais, num evento de diversidade sexual, chamando-os de "viadinhos" e "bichinhas". Parabéns, Angela, eu achava que não tinha como, mas você conseguiu ser mais estúpida que uma porta. 

Ro Ro ainda tascou água no técnico de som, chamando ele de "caboclo", tudo porque o cara tentava afastar as pessoas do palco, claramente tentando salvá-las dessa louca. 

Ô meu bem, não gosta das bicha, então não aceita cantar em evento voltado pras bicha, ora bolas! Eu, hein! Aí chuta, revidam e tem a cara de pau de falar que foi agredida? Ah, me poupe, né? Eu, hein, parece que bebe, gente! 

E vamos fechar com Jefferson Monteiro. Sabem quem é? Ah, gente, o criador da Dilma Bolada, poxa vida! Ainda não? Ok, lá vai uma fotinha:

O Jefferson é o sem laquê.



Pois bem, depois de ficar famoso pela criação do perfil, com a proposta de uma Dilma irreverente e coisa e tal, e de, então, dar de cara com a Presidente, Jefferson 'rompeu' laços com Dilma, alegando que ela não é a candidata que ele e mais uma porrada de gente elegeu. Aí fez o maior rebu, um escarcéu, dando declarações aqui, ali e acolá. Como se alguém se importasse, né?

Ah, garoto, faça-me o favor, vai! Admite que ela cortou a mesada, é mais bonito. E outra, ninguém tá nem aí. O perfil já tava bem chato, mesmo, e o país já estava na merda antes da criação da Dilma Bolada, então faz o favor e seja bem menos, ou você tá achando que era REALMENTE, tudo isso? Só serviu pra fazer vergonha, pra passar vergonha e pra mostrar que você não sabe perder. Se poupe e nos poupe!

E foi isso, gente. Teve mais coisa? Teve sim! Teve Maria Bethânia sendo grossa com um fã que subiu no palco e tentou dar um abraço nela. Ok, ele não devia ter feito isso, mas ela podia ter agido diferente, e não levantado o braço pra ele e expulsando o cara do palco, como se fosse um qualquer; teve também o Caíque Gama (?) da Banda Fly (?), que deu umas declarações bem racistas e machistas numa entrevista pra revista Atrevida, onde disse que mulher tem que agir como mulher, mas que tudo bem ele postar foto sem camisa, e que mulher fica feia de boné (isso porque ele não viu a Rihanna de boné), e surgiu um monte de gente defendendo o cara, mesmo com a Internet ressuscitando os tweets racistas, machistas e homofóbicos do moleque. Enfim, acho que deram muita importância pra esse rapaz, se ainda fosse famoso... 

Vou ficando por aqui, porque a segunda-feira já apontou uma arma pro meu rosto e eu tenho que resolver um mundo de coisa. 

Até a próxima segunda, boa semana pra todo mundo! 

Leandro Faria  
Glauco Damasceno, um espírito livre, observador do tempo, da vida e das muitas timelines da web. Sonha em ter muito dinheiro pra poder cair no mundo, aprender tudo o que puder. Acredita que jazz, blues, soul, pop, samba, pagode e erudito sejam as trilhas sonoras perfeitas para a vida que leva
FacebookTwitter


0 comentários:

Share