14 de jan de 2016

Pop 5ive: Os Piores Filmes de 2015





Olá, meus queridos, tudo bem com vocês? 2015 já acabou, mas ainda há muito o que falar sobre ele. E eu pensei e pesquisei muito para montar esse Pop 5ive, que elege os Cinco Piores Filmes de 2015.

Olha, foi difícil escolher apenas 5, pois tivemos realmente obras cinematográficas horrendas nesse ano que se findou. Entretanto, cheguei a uma lista bem representativa do que foi o cinema ruim em 2015.

Dessa forma, vamos aos piores na minha humilde opinião. 

Horas de Desespero 

Com um título extremamente genérico, tanto no original quanto em português, este filme traz uma dupla inusitada e disfuncional como protagonistas. O comediante Owen Wilson e o eterno James Bond, Pierce Brosnan, unem forças para combater rebeldes de um país asiático, que tomam uma cidade inteira, com o único propósito de assassinar “turistas brancos”. Sim, você leu certo.

Nem é preciso dizer que o filme é um mar de ofensas e preconceitos, criando vilões mais sanguinários que O Exterminador do Futuro e Jason juntos. Tanto, que nem se dão ao trabalho de citar qual seria essa “terra devastada”. Na trama, uma família de americanos é ferozmente caçada. Imagine O Impossível sem o tsunami e com guerrilheiros maníacos. Está feita a diversão. 

O Imperador 

Sim, você sabia que este viria. Sabe o ditado “falem mal, mas falem de mim”? Então, ele se encaixa perfeitamente para traduzir este filme. Uma produção totalmente B, que passaria certamente em branco se não fosse lembrado na maioria das listas de piores de 2015.

Os sofredores que puderam conferir a obra no cinema (sim, o filme veio aos cinemas brasileiros), revolveram colocar a boca no trombone e fazer o filme ganhar notoriedade, mesmo que muito negativa. Nicolas Cage (sim, ele mesmo) e Hayden Christensen formam a dupla mais inusitada do ano, neste conto “épico” sobre guerreiros templários e um clã asiático. Cage encarna mais um de seus exageros, enquanto Christensen, bem, talvez tenha desistido de tentar lá atrás. 

Exterminador do Futuro: Gênesis 

Particularmente, eu ainda não entendo como podem fazer sequências desta franquia, já que eu teria encerrado tranquilamente no terceiro filme da saga, mas eles insistem em continuar a trajetória de John Connor, ou Sarah Connor ou qualquer um deles.

Gênesis não passa de uma série de momentos recortados dos outros 4 filmes, juntados com uma nova roupagem. Não sei se a intenção era fazer alguma espécie de homenagem ou referência aos filmes antigos, mas, em todo caso, o longa falha em ambas. As “homenagens” não tem carisma e as referências são pouco exploradas. Mas esse é o menor dos problemas, porque pelo menos os momentos em que lembramos dos filmes antigos são os momentos em que quase esquecemos que estamos vendo Gênesis

O maior problema foi a aparente preguiça dos roteiristas em explicar as coisas. Tentando disfarçar essa falta de informação, transformando tudo que não tem uma explicação coerente com a trama em um mistério. “Como fulano chegou aqui? Ninguém sabe!”, “Como ciclano sabe disso? Não sei, só sei que ele sabe!”, “Já estava assim quando eu cheguei”, etc… 

O Destino de Júpiter 

Esperava muito desse filme, que tem uma premissa muito interessante, mas cai do cavalo ao conferir o longa. O filme peca em misturar demais tramas ao roteiro principal, como política, genética e religião, seguidos de diálogos que não explicam nada e deixando as questões relevantes de lado. 

Mila Kunis é Mila Kunis. E mesmo sendo linda, perfeita e maravilhosa, não convence na personagem. Imagine que alguém te conte que você é Rei/Rainha do Universo e que o mundo não é nada do que você pensa. O que você faz? A Júpiter de Mila Kunis levou numa boa. Absorveu todas as informações sem questionar ou se espantar e passou de diarista a Rainha com uma naturalidade incrível. 

Já seu par romântico, Channing Tatum, apesar de ter mandado bem, acabou sendo mal explorado. Várias foram as informações jogadas a respeito do temperamento e atitudes, mas elas acabaram por não serem demonstradas, parecendo que Caine promete muito mais do que é de verdade. Fora as várias vezes que ele aparece sem camisa…. 

Quarteto Fantástico 

O pior filme do ano. Somente assim para resumir isso que chamaram de filme. A Fox só levou o projeto adiante porque estava prestes a perder os direitos sobre os personagens (que voltariam para a Marvel — como teria sido bom), e o resultado é um produto apressado, mal amarrado, com soluções narrativas escritas nas coxas (em meio a algumas boas ideias, há que se destacar). 

Nesta versão, que tem pouquíssimo a ver com o Quarteto Fantástico consagrado, Reed Richards (Miles Teller) é um adolescente prodígio descoberto em uma feira de colégio (hã?) para trabalhar em um projeto de deslocamento dimensional. Neste momento, o enredo não encontra mais papel para Ben Grimm (Jamie Bell), seu amigo de infância, e o personagem é descartado até ser reintroduzido de maneira forçada na história. Reed trabalha com outros dois cientistas, Sue Storm e Victor Von Doom (Kate Mara e Toby Kebbell), até aí ok, e do nada surge o mecânico Johnny Storm (Michael B. Jordan) para se juntar a uma equipe de gênios. O roteiro claramente não sabe o que fazer com Ben e Johnny, dois ignorantes naquele cenário de super-ciência, e simplesmente enfia os dois na trama sem muita justificativa lógica. 

A partir do acidente que dá ao Quarteto Fantástico os poderes conhecidos por todos, o filme deixa ainda mais evidente os problemas do roteiro e produção feitos às pressas, e não elabora questões básicas como a reação dos personagens diante do que se tornaram. 

Menções Honrosas: 

Cinquenta Tons de Cinza, O Sétimo Filho, O Garoto da Casa ao Lado, S.O.S – Mulheres ao Mar 2, Pixels, Peter Pan, Belas e Perseguidas, e Mortdecai – A Arte da Trapaça
___

Bem, meus queridos, este foi o nosso Pop 5ive com os piores filmes de 2015. Se você acha que faltou algum filme, deixe seu comentário avisando e, se não concorda com a lista, comente também! Até a próxima!

Leia Também:
Leandro Faria  
Artur Lima: aficionado por cinema, música, seriados e livros, não nesta ordem, apaixonado por dias frios e chá. Estudante de Comunicação Social, acha que sabe de tudo e sonha em trabalhar com cinema.
FacebookTwitter


4 comentários:

Unknown disse...

Falar que o exterminador é um filme ruim é complicado viu,sendo que o objetivo do filme era esclarecer muitas coisas,aiai.

CriaGyn disse...

Jurassic World é uma bosta.

Artur Lima disse...

Mas me responda, Exterminador esclareceu alguma coisa ?

Milton disse...

A opinião de 1 pessoa não é suficiente pra dizer q todos pensam o mesmo!

Share