15 de ago de 2016

#VergonhaAlheia - Ano IV - # 23




Bom dia, boa tarde, boa noite, boa madrugada, meu povo! Tá todo mundo feliz? Todo mundo contente? Pois bem, junto com a segunda-feira, eu cheguei pra fazer você colocar pra fora aquela parcela de lágrima de sangue, pois tá no ar a edição 23 da #VergonhaAlheia!

Pois vamos falar de Entretenimento, gente! Pokémon Go, o jogo que virou febre mundial, tem levado a galera a fazer coisas um tanto quanto... absurdas pra conseguir capturar os monstrinhos, né? É, eu tenho lido bastante coisa a respeito.

E foi em Cuiabá que dois rapazes estavam lá, cuidando de suas vidas, à uma da manhã, caçando pokémon em frente à delegacia, quando a galera lá achou tudo aquilo muito suspeito e resolveu agir!


Tá, uma coisa é a polícia fazer vídeo expondo esses "super-heróis" que declaram guerra contra eles, fazendo discurso enaltecendo o trabalho da briosa Polícia Militar (eu amei esse termo); outra coisa é querer expor dois jovens que não estavam causando mal a ninguém, apenas correndo o risco de ser assaltados, esfaqueados, estuprados, esquartejados, essas coisas básicas. Começou a filmar, viu que não era nada de mais? Deletasse o vídeo. Mas não, foram lá e espalharam o vídeo, ridicularizando os garotos, chamando de "viadinho", como se isso fosse alguma ofensa, como se existisse alguma relação entre o jogo e a orientação sexual de quem joga. E pra que? Sério, não entendi a necessidade. Viu que os jovens não ofereciam perigo algum a ninguém, desse um esporro e liberasse, não precisava fazer esse circo todo.

Celebridade! Susana Vieira, a atriz adorada pelo povão, tem uma casa de seis andares, o filho dela é presidente da Sony e a ama muito, que não tem paciência pra quem tá começando, e que, depois de Deus é a mais poderosa, perdeu aquela famosa chance de ficar de boca fechada.

Participando de um ato em apoio ao Juiz Sérgio Moro, ou SuperMoro como é chamado pela fanbase, Susana falou mais do que devia e, acreditem, foi pior que ela pagando peitinho em rede nacional. Mas antes, vamos ver uma foto desse evento?


Bem, cada país tem a Liga da Justiça que merece, não é mesmo? Pois bem, Susana Vieira... Ah, temos vídeo, produção? Temos vídeo!


Então...


Mas eu não tô dizendo?! Tá senil, só pode! Será que ela faz parte daquela galera que quer separar o Sul do resto do país? Sim, porque só isso explica ela pensar que a galera do Nordeste tá completamente alheia ao que tá acontecendo. Nossa, que vergonha. E outra, a mulher me vai perguntar pra uma criança de oito anos o que é Lava Jato. Eu não duvido de mais nada, viu? Mais nada. 

Falemos agora de Olimpíadas! Ela que tava sumidinha da coluna, apareceu pra escorregar na casca de banana outra vez. Claudia Leitte, a bagunceira, ficou super feliz com a vitória de Rafaela Silva no Judô. O país inteiro, na verdade, eu quase morri. Aí Claudia foi lá comemorar também, mas teve um pequeno detalhe... 



Mas, Claudinha...

Tá... Parece que a Copa já superou Claudinha Bagunceira, mas Claudinha Bagunceira não superou a Copa... 

Política! Ricardo Barros, conhecidíssimo como a noite de Paris por suas gafes, essa semana disparou:
"Homens procuram menos os serviços de saúde porque trabalham mais e são os provedores das casas brasileiras."

Ai, gente, que desgosto, viu? Minha única reação é essa do GIF, não tem nem o que falar.  

Agora segura esse tchan aí, gente! O jornalista Nico Hines, do The Daily Beast, achou que seria uma ideia maravilhosa fazer a Kim Kardashian e expor na Internet os atletas gays que estão no armário. Temos foto do jornalista? Não? Ok. Enfim, o cara marcou três encontros através do Grindr, aplicativo de pegação usado por gays, e narrou os detalhes dos três encontros na matéria, que primeiro foi editado devido a má recepção do artigo, e depois foi excluído. 

Nico, que é hétero, achou uma ideia MARAVILHOSA tirar os atletas à força do armário, alguns inclusive, de países em que a homossexualidade é crime, conseguindo assim o título de maior babaca do ano. Parabéns, Nico, o prêmio é todo seu! 

É isso aí, meus amigos, minhas amigas, e José Serra, a edição de hoje acabou. Foi meio estranha porque não teve muita coisa acontecendo, então eu fiz o que dava com o que tinha, me perdoem e não desistam de mim. 

Até a próxima semana, FUI! 

Leia Também:
Leandro Faria  
Glauco Damasceno, um espírito livre, observador do tempo, da vida e das muitas timelines da web. Sonha em ter muito dinheiro pra poder cair no mundo, aprender tudo o que puder. Acredita que jazz, blues, soul, pop, samba, pagode e erudito sejam as trilhas sonoras perfeitas para a vida que leva
FacebookTwitter


0 comentários:

Share