30 de set de 2016

#ConsideraçõesFinais: Velho Chico, a Novela Que Não Deveria Nunca Ter Existido





Não é preciso ser um expert em TV para perceber que Velho Chico seria um fracasso. Há uns seis anos estava na fila para ser produzida, mas o enredo preocupava a Globo e, por conseguinte, foi engavetada até alguém lembrar que ela existia e o projeto começou a tomar forma. Concebida a princípio para ser exibida na faixa das 18 horas, mudou de horário porque a Globo quis evitar o tema político da substituta de A Regra do Jogo e, sendo assim reagrupou a novela para a faixa das nove. Benedito Ruy Barbosa, que não escrevia uma novela para esse horário desde a enfadonha Esperança — que nem chegou a finalizar porque teve problemas de saúde e Walcyr Carrasco foi chamado para apagar o incêndio, convocou a filha e o neto para ajudar na empreitada. 

Acostumado com a morosidade do autor, Luiz Fernando Carvalho assumiu a direção e começou os preparativos e já na pré-produção os sinais do fiasco surgiam, preconizando o que vinha pela frente. Escalado inicialmente para ser o protagonista do faroeste caboclo, Eriberto Leão se viu obrigado a abandonar o projeto e em seu lugar foi escolhido Domingos Montagner, que teria um dos papeis principais de A Lei do Amor, mas desistiu em detrimento desta. Letícia Sabatella foi confirmada como a protagonista da trama, mas pediu para sair dando uma desculpa esfarrapada; para substituí-la, Camila Pitanga foi convidada, porque alguém acreditou piamente que esta personagem seria o canto do cisne para a atriz depois do seu papel higiênico em Babilônia

Contornado esses primeiros problemas as gravações começaram e, no lançamento da novela, Benedito Ruy Barbosa declarou que não escrevia "história de bicha", criando um verdadeiro quiproquó, afinal, sua declaração provocou indignação do público que começou a rejeitar a novela antes de sua estreia. Edmara Barbosa, filha do autor e colaboradora, se desentendeu com o diretor que tem fama de irascível e acabou sendo afastada. Com a audiência em baixa, Luiz Fernando Carvalho discutiu com o diretor de dramaturgia da emissora, Silvio de Abreu, por não concordar com as mudanças sugeridas.

A novela tinha uma narrativa arrastada, o figurino e a direção de arte não tinham nada a ver com a época em que a história sugeria, tudo parecia parado no tempo, o conceito artístico conceitual demais afugentou o público noveleiro, a trilha sonora melancólica também contribuía para o tédio. Paralelo a tudo isso, o ator Umberto Magnani, que interpretava o Padre Romão, sofreu um AVC e faleceu, e, obviamente, o caso mais recente que foi a prematura morte do ator Domingos Montagner.

A novela apostou em rostos não muito conhecidos do grande público, dando oportunidade para os mais diversos atores, entretanto, as inovações técnicas que faziam que o gênero se aproximasse mais do cinema do que da TV cansaram o telespectador. Talvez, se tivesse sido uma minissérie, poderia ter feito um barulho maior do que os provocados pelas tragédias que acompanharam seus bastidores.

Velho Chico despede-se assim de forma melancólica e com uma lembrança triste e pesada para a emissora líder. Ficará marcada como aquela novela em que dois grandes atores faleceram durante sua exibição, muito mais do que pela sua história que, vamos combinar, ninguém conseguiu digerir.

Leia Também:
Serginho Tavares  
Serginho Tavares, apreciador de cinema, para ele um lugar mágico e sagrado, de TV e literatura. Adora escrever. É de Recife, é do mar: mesmo que não vá com tanta frequência e com os pés bem firmes na terra.
FacebookTwitter


6 comentários:

Galvam disse...

...Em uma das inúmeras crises do seu personagem - Camila Pitanga aparece numa banheira, tomando banho de espuma, degustando um vinho branco e...lendo um livro de Fernando Pessoa... Isto tudo no interior da Paraíba, num lugar perdido de Deus, sertão brabo! As pessoas leem Fernando Pessoa quando em crise existencial e sentimental! Querem mais? E esse penteado do neto do Coronel Saruê? Aí o cara traz um namorada da França (aonde estava em estudos) e a dita cuja é francesa mas...é uma pessoa negra. Negra por que tem o politicamente correta não é? O melhor mesmo dessa novela foi ver Batoré e o Saulo demonstrando como são bons atores!
E sem contar o porre que é ver o ator Irhandir Santos, que interpreta sempre ele mesmo! O militantezinho de esquerda apoiador de Lula e Dilma e pró-minorias sociais! Fez isso em todos os filmes que participou inclusive em Tropa De Elite 2, naquela porra daquele filme em que é preso na alfandega americana uma co-ŕprodução Brasil/EUA, enfim o cara é um porre! Só não usava uma camiseta com a figura do Che Guevara por que a produção não deixou!

OdiaEmQuer Luiz disse...

Galvam como vc é burro mano que loucura a Frana tem uma grande quantidade gente negra ja que la também se escravizava negro sou nordestino e achei essa novela um insulto logo nos primeiros episodio apareceu uma mulher de peito para fora nunca vi os peitos de Marina Ruy Barbosa, ela não é nordestina por isso não pode no dia em que o domigos morreu li um comentaria falando que ele morreu porque estava em um rio poluído um dos rios mais importantes do pais e esse idiota que nunca chegou a entra dentro do rio falou isso é por causa de pessoas como essas que o Brasil esta do jeito que estar

Serginho Tavares disse...

Galvam, apenas umas pequenas correções. A novela não se passa no sertão da Paraíba, e sobre crises existenciais tem gente que lê Dostoiévski, Caio Fernando Abreu, porque não Fernando Pessoa? Sobre o fato da francesa ser negra, existem muitos negros na França que vem das antigas colônias não me admira o fato dela ser negra. Não acho que tenha sido pelo politicamente correto não, pelo menos não neste caso. E o Irandhir eu discordo e acho um dos melhores atores que temos atualmente. De resto concordo com você em tudo, Batoré e Saulo estiveram ótimos como muitos outros atores coadjuvantes.

Luiz, não precisa agredir o moço chamando ele de burro, ele apenas estava mal informado, por favor respeito, tá? Não entendi a questão do insulto. E sobre a Marina Rui Barbosa, ela apareceu seminua na minissérie Justiça, você não viu?

Galvam disse...

Bom vamos aqui começar dizendo ao Luiz que Burro é o filho da sua mãe! Realmente a novela foi filmada em Sergipe, pelo que apurei aqui. Mas li uma notícia errada sobre a morte do ator Domingos Montagner, num jornal local que dizia que foi na Paraíba. E como ele morreu após a gravação de umas cenas deduzi que pela notícia que a novela esta sendo feita na Paraíba.
Pessoal vamos prestar atenção no fato que a novela retrata o Coronelismo político no nordeste. Elite agropecuarista aproveitando-se das mazelas sociais e econômicas da região para perpetuar-se no poder e auferir vantagens econômicas ilegais. Todos os personagens vivenciam o sistema de vida da região,mesmo aqueles que por terem condições econômicas e estudaram fora do país. Sertão de Alagoas, sertão brabo, seca, caatinga etc...Aí vem a criatura com um livrinho de Fernando Pessoa por que está em crise? Não combina gente! Ah! Mas as pessoas leem! Mas não no sertão do nordeste! Não é por falta de saber ler, ou conhecimento cultural...mas é que a vida é outra, não combina, fica estranho demais, muito artificial! E o caso da francesa negra, é claro que eu sei que tem negros na frança. E nada contra, mas a inserção de um personagem étnico e ainda de origem européia perdeu o rumo pelo fato do autor concentrar-se em mostrar o racismo latente e incontido dos protagonistas em relação a pessoa, e o autor perder a oportunidade de mostrar talvez o choque cultural de um europeu com uma comunidade sertaneja brasileira e nordestina. Ficou excessivamente forçado na minha opinião.
É como fazer um filme sobre canudos e dizer que foi a primeira tentativa de reforma agrária feita pelo MST!

Esdras Bailone disse...

A verdade é que essa novela foi linda! #SQN

Serginho Tavares disse...

Pois é, Esdras, é muito debate pra uma novela que nem vale isso. Beijos meu amigo.

Share