19 de dez de 2016

#Literatura: O Caderninho de Desafios de Dash & Lily, de David Levithan e Rachel Cohn





Que eu sou fã do David Levithan, todo mundo está cansado de saber. Leio tudo que ele lançar, tudo que aparecer o nome dele como colaborador, tudo que ele pensar em escrever. Se ele escrever bula de remédio ou rótulo de shampoo, eu vou ler, juro. Simples e claro assim. Eu gosto dele como autor e ponto final. 

Assim, podem ter sido as minhas expectativas altas, que me frustraram e me fizeram não embarcar na proposta desse livro em específico. Veja bem, não estou dizendo que Dash & Lily seja um livro ruim, porque ele não é. Na verdade, perto da literatura jovem que inunda as prateleiras da livraria, ele é até que acima da média. Entretanto, ele não é um livro padrão jovem-adulto do David Levithan. E, por isso, tive certa dificuldade em me interessar verdadeiramente pela história, o que acabou dificultando a minha relação com o livro.

Talvez, se eu não tivesse expectativas, teria mais facilidade em embarcar na história dos dois adolescentes de Nova York que, através de um caderninho de desafios vermelho, acabam por se conhecer, graças à iniciativa do irmão da jovem (e chata) protagonista da história. Como dois adolescentes ociosos e desinteressantes, Ash e Lily vão nesse joguinho até o final do livro, sem que eu efetivamente me importasse com eles e só arrastasse as páginas, lendo a história, mas não me entregando verdadeiramente a ela.

Leve e bobinho, O Caderninho de Desafios de Dash & Lilly é um livrinho bobo que pode até entreter, mas que não é um verdadeiro exemplar de David Levithan, que já nos presenteou com livros maravilhosos como Todo Dia ou Dois Garotos Se Beijando. É David Levithan? Sim, é. Mas é um David Levithan ultra mega adolescente. Pode ter o seu público mas, definitivamente, não me seduziu.

O Caderninho de Desafios de Dash & Lilly
Autores: David Levithan & Rachel Cohn
Páginas: 256
Editora: Galera Record

Leia Também:
Leandro Faria  
Leandro Faria, do Rio de Janeiro, fruto da década de 80, viciado em cultura pop em geral. Como vício bom a gente alimenta e compartilha, estou aqui para falar de cinema, televisão, música, literatura e de tudo mais que possa (ou não) ser relevante. Por isso, puxe a cadeira, se acomode e toma mais um copo, porque papo bom a gente curte é desse jeito!
FacebookTwitter


0 comentários:

Share